domingo, 16 de outubro de 2011

O Forte Schoonenborch

A origem da capital do Ceará está ligada ao forte levantado pelos holandeses na enseada do Mucuripe, localizado na foz do riacho Pajeú, com a dupla finalidade de defesa e de centro de decisão das providências ligadas às explorações de minérios de prata na serra de Itarema (Taquara), contraforte da de Maranguape.

Forte de São Sebastião, gravura de 1612 (do livro Ah, Fortaleza!)

Anteriormente, os primeiros vestígios de ocupação do Ceará haviam-se verificado na embocadura do rio desse nome, a menos de 10 quilômetros a noroeste do córrego Pajeú. Vindo da Paraíba, Pero Coelho de Sousa erigiu uma fortificação que denominou de Forte de São Tiago.  O fracasso da expedição de Pero Coelho concorreu para que o São Tiago se desmantelasse, ficando imprestável.

Em 1612, Martins Soares Moreno, que fora soldado de Pero Coelho,  voltou à região, e construiu, no mesmo lugar do anterior, outro forte, que recebeu o nome de São Sebastião.  O forte foi atacado pelos holandeses em 1637, surpreendendo e aprisionando os soldados.  O São Sebastião era um forte de madeira, com guaritas e casas de soldados, e uma igreja. 

De posse dessa  construção tão pobre, não fizeram os holandeses nenhuma melhoria,  além de se indisporem com os índios, a quem não pagavam pelos serviços prestados. Revoltados, os índios atacaram o forte, massacraram todos os holandeses e destruíram a construção. Era o ano de 1644.

Cinco anos depois, os holandeses retornaram novamente, agora acossados pela falta de recursos nos cofres da Companhia das Índias Ocidentais, recorriam à exploração de minas em busca de ouro e prata.  Acreditavam encontrar esses tesouros no Ceará, numa daquelas serras que azulavam no horizonte.

A expedição veio sob o comando de Matias Beck, experiente aventureiro, preposto da Companhia. A parte militar cabia ao major Joris Gartsman, que fora comandante da primeira invasão holandesa de 1637. Chegaram à enseada do Mucuripe (talvez no mesmo ponto em que Pinzon erguera uma cruz em 1500). Entre esperançosos e desconfiados, ancoraram  ao meio dia do dia 2 de abril de 1649.


 Ao todo, 298 homens. Era a maior e mais prolongada tentativa desse gênero que faziam os holandeses.  Após o desembarque e à improvisação dos abarracamentos, seguiu-se o que era mais indispensável – a construção de uma fortaleza de proteção. Contra os índios, e contra inimigos vindos do mar.

O local escolhido foi o monte chamado Marajaitiba. Ao sopé do monte corria o riacho Marajaik (rio das palmeiras), que forneceria água fresca e limpa. Além disso, o morro estava contíguo  à  praia, defronte ao porto, onde ficavam os navios da expedição. Era, portanto o local ideal, militarmente estratégico e topograficamente favorável.


mapa do Forte Schoonenborch

Matias Beck e outros oficiais chegaram a visitar o local do antigo forte, na Barra do Ceará,  mas consideraram a entrada do porto muito perigosa para a navegação, além da distância do rio, tão distante que a guarnição poderia facilmente ser privada de água. Foram esses dois fatores que definiram a fixação do núcleo, futura cidade.

O nome do forte – Schoonenborch –  era uma homenagem ao governador holandês do Recife,  e a construção da edificação serviu para firmar por alguns anos a mais, o domínio holandês no Ceará. No dia 22 de abril, somente não se achavam prontos na construção de Beck, o portão e duas baterias. Podia assim, considerar-se concluído aquele forte de cinco pontas, com seus parapeitos, fossos e o mais.

Mas novamente, não se demoraram muito por aqui os exploradores flamencos.  A capitulação geral dos holandeses no Recife, em janeiro de 1654, acabou com as atividades de Matias Beck no Ceará. Beck e Gartsman entregaram  a praça em 20 de maio de 1654, ao Capitão-mor português, Álvaro de Azevedo Barreto, e se retiraram para a ilha de Barbados.

Do ousado sonho holandês, restou o Schoonenborch calvinista, que a posse lusa batizou de Nossa senhora d’ Assunção, invocação com que a virgem passou a ser venerada, tendo sua imagem exposta ao culto dos soldados e dos moradores do vilarejo, na pequena ermida, construída sem demora.  

imagem de Nossa Senhora de Assunção, padroeira do forte e da cidade de Fortaleza. Hoje venerada no nicho do Quartel da 10ª RM (imagem do livro Geografia Estética de Fortaleza)  

Álvaro de Azevedo Barreto, também sem demora, consertou a fortaleza. Depois de construída, pareceu ao português que não haviam feito mais nenhum reparo. Fundado sobre paus enterrados a espaços e outros atravessados por dentro, em formato pentagonal, achava-se tudo meio apodrecido.

O forte de Nossa Senhora d'Assunção continuou sua existência precária, sofrendo remendos, até que em 1816, se transformou de fato, numa fortaleza, graças à ação do Governador Manuel  Inácio Sampaio, o primeiro visconde de Lançada e ao projeto do engenheiro Silva Paulet.

Os fundamentos do edifício foram lançados pelo governador em 12 de outubro de 1812. A obra foi feita principalmente com donativos angariados pelo governador Sampaio e seu antecessor Barba Alardo de Menezes, a quem, segundo João Brígido, coube a ideia de reedificar a fortaleza. 

Em 23 de setembro de 1816, o ministro e secretário do Estado e encarregado dos negócios estrangeiros e da Guerra, comunicou ao governador Sampaio que merecera aprovação do príncipe regente o particular cuidado que ele dispensara às fortificações da vila. 

No ano de 1817, foi colocada uma lápide, na parte extrema das muralhas norte da fortaleza, com a seguinte inscrição:

As naus escarneciam de mim quando eu era um monte informe; 
agora que sou uma grande fortaleza, 
de longe, tomam-se de respeito. 
Aqui reinando D. João VI. 
Sampaio me fundou bela, 
o engenho de Paulet resplandece. 
Os donativos dos cidadãos me tornam forte pelas muralhas, 
os dispêndios reais me fazem fortes pelas armas. 

Em 1917, quando a guerra na Europa ia à sua fase mais aguda e o Brasil entrava ao lado dos aliados, foi o forte guarnecido pela 1ª bateria independente do 3° Distrito de artilharia de Costa, sob o comando do capitão Bernardino Chaves, que pouco demorou no Ceará. A bateria foi extinta após o término da guerra, em fins de 1918.

localização do forte no desenho atual da cidade. (imagem divulgação site da10ª RM) 

A última reforma feita na edificação, cujo recinto hoje está totalmente ocupado pelas dependências do Quartel da 10ª Região Militar, consistiu na construção de um passadiço por sobre as canhoneiras abertas no parapeito da muralha voltada para o mar.
Tombada pelo IPHAN em 2008. 

Fonte:
Raimundo Girão e Eusébio de Sousa

3 comentários:

Anônimo disse...

parabéns. pelo o blogger, hoje moro em fortaleza minha terra natal. depois de uns longos anos fora. amo muito essa terra. e cada vez que leio sobre fortaleza. mais me apaixono... até hoje não temos a data certa e nem o fundador, dessa amorosa cidade.. uns falam que temos sangue holendese..com matias beck desde 1649.. outros defendem o soares moreno.. lá na barra do ceara.. em fim.. cidade amorosa. e bela.. te amo fortaleza..
l.c. lemos
lemoscontato@hotmail.com

Anônimo disse...

parabéns. pelo o blogger, hoje moro em fortaleza minha terra natal. depois de uns longos anos fora. amo muito essa terra. e cada vez que leio sobre fortaleza. mais me apaixono... até hoje não temos a data certa e nem o fundador, dessa amorosa cidade.. uns falam que temos sangue holendese..com matias beck desde 1649.. outros defendem o soares moreno.. lá na barra do ceara.. em fim.. cidade amorosa. e bela.. te amo fortaleza..
l.c. lemos
lemoscontato@hotmail.com

Fátima Garcia disse...

obrigada Lemos, também gosto dessas histórias dos primórdios de Fortaleza e dessa controvérsia da fundação: ninguém se entende