domingo, 29 de outubro de 2017

Bairro São Gerardo

Localizado na área da Secretaria Regional I (SER I) O bairro São Gerardo foi criado em 1930, e herdou o nome da Igreja de São Gerardo, onde no lugar da igreja atual havia uma capela originalmente construída em 1925, quando o lugar era conhecido por Alagadiço Grande.



Certa vez um padre italiano acusou os artesãos cearenses de inventarem nomes de santos que não existiam, e no caso de São Gerardo, parece que a alegação procede. O nome do Santo é Geraldo Majela, nascido em Muro Lucano, Itália, no dia 6 de abril de 1725. De constituição física muito frágil, cresceu sempre adoentado, aprendendo com o pai seu ofício de alfaiate. A vocação religiosa sempre latente, foi relegada a 2° plano porque não era aceito pelas ordens religiosas, só conseguindo seu intento em 1749, quando ingressou na Ordem dos Padres Redentoristas, sendo enviado para o convento de Deliceto, em Foggia. De saúde delicada, Geraldo Majela faleceu no dia 16 de outubro de 1755, aos 30 anos de idade. Foi beatificado em 1893 e canonizado em 1904 pelo Papa Pio X. 

paróquia de São Gerardo (imagem http://fecappes.blogspot.com.br)

A exemplo de muitos outros bairros e até cidades no Ceará, o São Gerardo se formou no entorno da igreja. A primeira capela dedicada a São Gerardo nasceu da iniciativa de um grupo de catequistas que conseguiram a doação de um terreno localizado na Avenida Bezerra de Menezes, por parte do casal Gaudioso e Donatila de Carvalho, no ano de 1924. Obtido o terreno, passaram a trabalhar para arrecadar recursos para a construção da capela, cuja pedra fundamental foi lançada no dia 25 de agosto do mesmo ano. Em 18 de outubro de 1925 o templo foi inaugurado e recebeu a primeira benção. No dia 19 de julho de 1934, a pequena capela, reformada e ampliada, foi elevada ao status de Paróquia de São Gerardo Majela pelo Arcebispo Dom Manoel da Silva Gomes.


Mas a capela de São Gerardo, não foi a primeira daquela região. Bem antes, em 1865, foi erigida a capela de São Francisco de Paula, na Avenida Bezerra de Menezes, número atual 2590, construída em pagamento de uma promessa feita por Antônio Francisco de Góis e sua mulher Angelina de Castro Góis, por não terem nenhum membro da família entre as vítimas da epidemia de cólera que atingiu o Ceará no século XIX. Localizada na então Vila Góis, a capela foi a primeira edificação da avenida Bezerra de Menezes.
Em 1928 o templo ganhou reforma e ampliação patrocinadas por Braz de Francesco Ângelo, que foi cônsul da Itália e nomeia uma rua próxima a igreja, no cruzamento com a Bezerra de Menezes. 
  
Avenida Bezerra de Menezes - anos 30

Por esse tempo a Bezerra de Menezes era uma via muita larga, com pavimentação tosca e irregular, repleta de pés de fícus benjamins, árvores de grande porte, de copa densa, centenárias, que ali cresceram e naturalmente se postaram ao longo da via formando canteiros e alamedas no centro, que dividiam a avenida, fazendo a separação em toda a sua extensão.

As árvores que sombreavam a avenida serviam de abrigo e proteção contra o sol forte para os passageiros do bonde do Alagadiço, que fazia o maior percurso de linha e tinha parada em frente a capela. A avenida foi modernizada na gestão do prefeito Murilo Borges (1963-1967) e perdeu seu antigo charme da avenida extensa, sombria, com árvores envelhecidas e frondosas.As residências eram em sua maioria constituídas de sítios, chácaras e mansões, dotadas de porões e enormes quintais com mangueiras e onde se cultivavam frutas e hortaliças.

Villa Meton localizada nas imediações onde hoje se encontra a Secretaria de Agricultura na Avenida Bezerra de Menezes. Na vizinhança, João Tibúrcio Albano escolheu para nome de seu sítio "Ville Nous Autres", chácara que foi objeto de curiosidade e apreço pela distinção da família que a habitava. (imagem do livro Ideal Clube - história de uma sociedade)

Hoje o bairro é considerado de renda média alta, com alta valorização de imóveis e com forte perfil comercial, tendência que ficou acentuada desde 1991 com a inauguração do North Shopping, o maior daquela região. A instalação do shopping atraiu um sem número de novos comércios e prestadores de serviços dos mais variados. Outro estabelecimento tradicional no São Gerardo é o Colégio Santa Isabel, prestigiada instituição de ensino, presente no bairro desde 1938.


Em dezembro de 2015 foi concluído um custoso processo de intervenção, visando a melhoria da qualidade ambiental com a recuperação da Lagoa do Alagadiço. Durante muito tempo o ecossistema formado pela lagoa ficou esquecido pela população, encoberto pelo lixo e pelo matagal. Com a recuperação, voltou à vista a beleza paisagística do lugar transformado em uma grande área de lazer. Com a conclusão dos serviços de desassoreamento e dragagem, o volume de armazenamento da lagoa passou a ser de aproximadamente 150.000m³. A lagoa do Alagadiço é formada pelas águas do Açude João Lopes e de afluentes do Rio Maranguapinho, como o riacho Alagadiço.
          

Outro importante equipamento do bairro, é o Polo de lazer da Avenida Sargento Hermínio, originalmente instituído como um bosque, na gestão do prefeito Evandro Aires de Moura, em 1975. O bosque é a única área de preservação situada na Regional I, além de ser a maior área verde na bacia hidrográfica do riacho Alagadiço. É localizado oficialmente no bairro do São Gerardo, dentro de uma área correspondente a 39.259,53 m² (4 hectares), caracterizando-se como Zona de Preservação Paisagística.  As obras duraram 5 anos e o local só foi inaugurado em 1981. Em 2008 foram iniciadas obras de requalificação do polo de lazer que se encontrava praticamente abandonado. O projeto foi concluído em 2016. 

Limites
Norte – Avenida Sargento Hermínio, Avenida Canal e Rua Cassimiro Montenegro; Sul – Avenida Bezerra de Menezes e Rua Azevedo Bolão;
Leste – Rua Téofilo Gurgel e Padre Graça; 
Oeste – Avenida Humberto Monte e Rua Joaquim Marques.
População: 14.200 habitantes em 4.414 domicílios (IBGE-2010)

fotos: Arquivo Nirez, Fortaleza em Fotos, O Povo. 



quinta-feira, 26 de outubro de 2017

A Adesão do Ceará à Proclamação da República

Não havia nada de positivo, de real, sobre os acontecimentos da Corte. Os boatos, no entanto, fervilhavam. Dizia-se alto e em bom som – não se fazia mistério, nem se pedia reserva – que a Monarquia caíra, e no Rio de Janeiro, fora proclamada a República. Tudo, porém, vago, incerto, de origem duvidosa.

Proclamação da República em tela de Benedito Calixto

A primeira comunicação, pelo fio, fora para importante casa comercial, cujo chefe em pessoa, a levara ao presidente da Província, coronel Jerônimo Rodrigues Morais Jardim (11/10/1889-16/11/1889). Ainda assim, o despacho telegráfico era um tanto lacônico, confuso em suas entrelinhas. Não parecia verdadeiro. Era natural, portanto, que fosse recebido com cautela. Dizia apenas que graves acontecimentos se desenrolavam na capital do país.
“o Ministro da Marinha, Barão de Ladário, fora mortalmente ferido por tiros e golpes de sabre ao entrar no Arsenal de Marinha. O Marechal Deodoro se colocara à frente do exército e agia contra o governo”.
Era o primeiro anúncio do levante republicano. Correu célere como um raio. Em poucos minutos Fortaleza em peso se manifestava. Nas praças, nas ruas, nos botequins e nos cafés era o assunto obrigatório entre os populares. O coronel Morais Jardim, como medida acauteladora, convocou uma reunião em palácio. Dela participaram as pessoas mais em evidência no meio político e social.

Deodoro da Fonseca liderou o movimento para implantar a República; foi o primeiro presidente e renunciou em 1891.

O presidente expôs a situação, gravíssima naquele momento. Falou com lealdade e franqueza, sobre o que sentia e o que pensava. Confessou pesaroso, em face dos boatos insistentes, as circunstâncias especiais em que se encontrava, afirmando por fim que precisava do auxílio de todos para manter a ordem pública. E aconselhou que aguardassem, prudentemente, os acontecimentos.

As 2 horas da tarde de 16 de novembro de 1889, aconteceu uma grande reunião no Passeio Público, com acalorados debates sobre o polêmico assunto. Manuel Bezerra de Albuquerque, o principal indicador e promotor dessa reunião, João Cordeiro, João Lopes, Barbosa Lima, Joaquim Catunda, Lobato de Castro, Bezerril Fontenele, e outros ali se encontraram.

Todos confraternizados com a Guarnição de 1ª. Linha e sob a indicação do primeiro citado, proclamaram “bem e legitimamente constituído o governo provisório instalado no Rio de Janeiro, sob a presidência do Marechal Deodoro da Fonseca. E considerando a Província do Ceará – Estado da República – aclamaram chefe do Poder Executivo neste Estado, o tenente-coronel Luiz Antônio Ferraz, que era então, comandante do 11° Batalhão de Infantaria.  

O Passeio Público era bastante conhecido da população. Tinha o seu passado emocionante e glorioso. Havia sido o local onde tombaram, vítimas da rememorada Comissão Militar, Mororó, Pessoa Anta, Carapinima, Ibiapina e Azevedo Bolão, cujas figuras sintetizam o tributo de sangue que coube ao Ceará na temerária adesão à Confederação do Equador.

Foi nesse logradouro, segundo uma testemunha do fato, que em um dos bancos estava uma bandeira com a haste respectiva, notando-se que ao invés da coroa imperial que nela existia, havia sobreposto o símbolo da nova forma de governo. 

Palácio da Luz - 1908 (arquivo Nirez)

Em passeata, Ferraz foi conduzido ao palácio, e ao som da banda de música do batalhão de seu comando. Lá chegando, Manuel Bezerra dirigiu-se ao presidente da Província: – “Coronel Jardim, o povo e a tropa de mar e terra , reunidos na praça pública, acabam de aclamar governador do Estado Livre do Ceará, o cidadão coronel Luiz Antônio Ferraz.”

Não houve relutância da parte do coronel Morais Jardim. O velho militar, soldado experiente, com trinta e cinco anos de caserna, compreendeu a gravidade do momento. Qualquer resistência seria inútil. Não contava mais com o apoio do povo. Estava só.
Além do mais, o governo central nada lhe dissera. Silêncio profundo. Sua provocação oficial, perguntando com insistência o que se passava na metrópole ficara sem resposta até aquela hora. Não havia outro remédio senão entregar-se a discrição dos seus antagonistas.

Passeio Público em 1908

Num discurso incisivo, eloquente, Morais Jardim referiu-se a situação crítica da Província. Apelou para o patriotismo dos cearenses, que no seu modo de ver, deviam manter a ordem pública a fim de evitarem problemas maiores. Declarou por fim, ceder à vontade do povo imposta daquele modo.

Os ânimos, porém, já estavam por demais exaltados. Quando o coronel Jardim discursava perante a multidão que o cercava, em justificativas do seu modo de agir, em face do imprevisto daqueles fatos, que era o advento de um novo regime, um incidente desagradável ao extremo, perturbou por alguns instantes a serenidade do ato.

Dom Pedro II aos 44 anos de idade. Tinha 64 quando foi deposto.

Um Oficial de Polícia, de nome Artur Saboia de Alencar, subiu numa cadeira, sacou de um punhal e rasgou em contínuos golpes, o retrato de Dom Pedro II que ornava a galeria do Palácio, atacando assim a figura varonil do velho monarca, grande benfeitor do Ceará, que ele tanto serviu e desejava próspero e feliz. O que vale, ressaltam os jornais da época, é que o ato de tão vil, não encontrou apoio na multidão. Todos o censuraram.

Morais Jardim, acabrunhado, deixou o Palácio recolhendo-se à casa do seu grande amigo conselheiro Rodrigues Júnior. E assim foi a adesão do Ceará ao triunfante movimento republicano de 1889.

Revista do Instituto do Ceará, artigo de Eusébio de Sousa
1934. 

terça-feira, 17 de outubro de 2017

A Inauguração e os Primeiros Tempos do Teatro José de Alencar

A inauguração do Teatro José de Alencar, em 17 de junho de 1910, foi marcada por uma programação composta de apresentações musicais e inúmeros discursos oficiais, numa festa que se estendeu por três dias seguidos. Constituiu-se, sobretudo, em ato de louvor ao presidente Antônio Pinto Nogueira Accioly, que havia chegado recentemente do sul do País.


Além dos elogios de praxe, o orador oficial pregou contra a permissividade e os vícios que os atores, artistas em geral e as artes espalham na sociedade. Em artigo posterior, publicado no "O Povo", JC Alencar Araripe, assim descreve as festividades: “ tudo fora feito de maneira a emprestar a maior importância possível à recepção do prestigioso chefe político. Formaram o Batalhão de Segurança e os alunos do Liceu, realizaram-se espetáculos de gala em todos os cinemas, os cafés foram ornamentados, bandas de música alegravam a cidade com retretas, fogos de artificio subiram ao ar em várias oportunidades, e o Palacete Guarany regurgitou com um banquete de 200 talheres. A cerimônia inaugural contou com o alto mundo oficial e o escol da sociedade. O teatro, feericamente iluminado, oferecia um espetáculo soberbo.”


O programa de inauguração foi aberto por um concerto da banda sinfônica do Quartel do Batalhão de Segurança, ao término do qual o Dr. Nogueira Accioly sentou-se a uma grande mesa, colocada no centro do palco, rodeado de seu secretariado e de algumas outras figuras da elite local. Com três golpes de martelinho na mesa, Accioly declarou inaugurado solenemente o teatro.

Como orador oficial, discursou o Dr. Júlio César da Fonseca, com algum exagero verbal: “ afinal temos um teatro, depois de tantos projetos vãmente elaborados, de tantas iniciativas perdidas e tantos tentames malogrados. Está satisfeita a necessidade que cotidianamente acentuava num relevo imperiosamente clamante.” Em seguida foi executado o Hino Nacional.

O primeiro diretor do Teatro José de Alencar foi Faustino de Albuquerque, (que mais tarde seria governador do Estado). Mas somente ao final do terceiro mês de sua gestão, o teatro receberia seu batismo de grande público, com a temporada da companhia carioca de Lucília Perez, iniciada em 23 de setembro.

Aspecto da Rua Barão do Rio Branco - antiga Rua Formosa - à época da inauguração do Theatro José de Alencar

O início de funcionamento do majestoso teatro foi de altos e baixos. Várias companhias de teatro se apresentaram no local, a maioria, com grande público na estreia, e bilheteria escassa na sequência, a exemplo da temporada inaugural, que foi bem sucedida na estreia, mas já com esvaziamento de público nas apresentações seguintes. 

Em Janeiro de 1911, “A Pérola”, comédia drama de Marcelino Mesquita, consagrado autor português, apresentada pela Companhia Francisco Santos, fez temporada no teatro. Após as primeiras apresentações, o jornal “A República”, publicou a seguinte nota: “E no entanto, as bellezas de muitas scenas d’A Pérola resistiram ao ambiente de indiferença e de frieza e a correção, o calor, a vida da representação, pozeram-se em destaque na quase solidão, que reinava no recinto do teatro”.

Outra peça apresentada, “A Tosca” de Victorien Sardou, drama de grande sucesso – segundo os jornais – trazia Maria Castro como protagonista. Com esta apresentação, a famosa atriz homenagearia seus conterrâneos mais ilustres, entre eles, Papi Junior e Hermínio Barroso. E novamente, reclama o jornal: “É  injustificável essa indiferença para com uma companhia digna de nosso franco acolhimento pelo conjunto mais ou menos harmônico do seu elenco, em que se notam artistas de real merecimento e pelo primor das peças de seu variado repertório. Camarotes inteiramente vazios, frisas em sua quase totalidade abandonados, occupadas algumas dezenas de cadeiras da primeira ordem e poucas da segunda – tal era o aspecto do Theatro José de Alencar, em a noite hontem”.

Sucedem-se temporadas de peças apresentadas, com larga vantagem, por companhias de fora do Estado, algumas das quais de operetas, como a da atriz espanhola Dolores Rentini. O público, porém, continuava retraído, e as peças começaram a rarear. O insucesso era tanto, que o teatro foi forçado a fechar as portas.

Maestro Henrique Jorge com a mulher e a filha no Passeio Público. Foi um dos regentes da orquestra do Batalhão de Segurança no concerto de inauguração do teatro, e mais tarde, um dos seus diretores 

Em 1915, o maestro Henrique Jorge, então diretor do teatro, queixava-se: “a receita tem sido quase nulla, o que se explica pelo facto de ser o theatro pouco procurado para o fim a que se destina, isto, em grande parte devido aos inconvenientes acima apontados.” Os tais inconvenientes resumiam-se praticamente a um: o extremo calor que fazia no interior do teatro, devido à iluminação carbônica local, sem abertura que permitisse a circulação de ar. Além disso, o primeiro regulamento do TJA, declaradamente repressivo,  aconselhava terno e gravata para os homens, bem como traje de gala para as mulheres. O mesmo regulamento impunha a presença de três inspetores, que em comissão, censuravam textos e proibiam gestos indecorosos, além de qualquer expressão de desrespeito à moral vigente, a seus juízos.


Nesse período, os frequentadores do teatro se distribuíam desigualmente na plateia. Enquanto a elite, com seus trajes vistosos, ocupavam os camarotes, estudantes e pequenos empregados do comércio apinhavam-se nas gerais, depois chamadas torrinhas, onde as moças não deviam frequentar. Para todos havia regras rigorosas de comportamento, que incluíam desde a proibição do uso de chapéus (para não atrapalhar a visão dos demais), passando por horários precisos para o início e o término dos espetáculos, e até multas e prisões para os atores que se recusassem a representar.

Ainda em 1915, em razão da quase ausência de programação, o teatro passou dois anos de portas fechadas, tendo como principal motivo, a questão do desconforto causado pelo calor excessivo gerado pelos combustores de gás carbureto usados na iluminação. Daí o teatro passou pela sua primeira reforma, acontecida em 1918, durante o governo de João Thomé de Saboia, que mandou instalar iluminação elétrica, substituiu o asfalto do pátio interno por ladrilhos, abriu portas laterais na plateia e consertou o telhado. 

Enquanto isso, Carlos Câmara enchia, nos fins de semana, o seu teatro improvisado do Grêmio Dramático Familiar, no bairro Joaquim Távora.

Fonte:
Theatro José de Alencar – O Teatro e a Cidade 
Coordenação Editorial – Patrícia Veloso 
fotos do arquivo Nirez e do livro O Teatro e a Cidade          

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

O Disciplinamento das Ruas

A rua é uma rede emaranhada de vivências, cuja origem se perde no tempo e se confunde com a existência das cidades, fazendo parte da memória do mundo, abrigando tanto os grandes acontecimentos como os pequenos incidentes do cotidiano. É local de intenso fluxo de mudanças, de movimento e de novas relações sociais. Tem a sua importância como um dos lugares das experiências humanas nas cidades.


atual Rua Formosa - 1908

A partir de princípios do século XIX a rua vai ganhando um novo prestígio dentro do nosso sistema de relações sociais. Ela deixa de ser apenas um lugar para as águas servidas dos sobrados, da escuridão, de poças de lama, bicho morto, etc, e passa a ganhar dignidade e importância social.
Um dos exemplos dessa mudança é o aparecimento no início do século XIX dos primeiros Códigos de Posturas Municipais, que procuravam defender a rua, inibindo os abusos cometidos por particulares e das residências, que se instalavam nas cidades com os mesmos modos e com a mesma arrogância da casa de engenho ou da fazenda, fazendo da calçada picadeiro de lenha, atirando no meio da rua o bicho morto, o resto de comida, a água servida, e as vezes, até a sujeira do pinico.


atual Rua Liberato Barroso s/data

Tais posturas fixaram, assim, a importância, a respeitabilidade e os direitos da rua, antes tão violados. Com elas criaram-se restrições à liberdade dos particulares, proibindo-se, aos proprietários das casas, certos absurdos, como o hábito de criar animais soltos na via pública, e as bicas que lançavam águas pluviais sobre as calçadas. Também foram proibidas a lavagem de roupa nas bicas do centro da cidade pelas negras dos mucambos, e a surra de escravos por parte dos senhores depois que o sino da matriz badalasse nove horas da noite.
No entanto, o que se procurou com esses códigos de Posturas, foi dar uma nova e mais eficaz funcionalidade à cidade, para que seu ordenamento de hábitos, de sociabilidade e dos espaços de vivências estivessem de acordo com as pretensões civilizatórias e modernas.


Lagoa do Garrote, no Parque da Liberdade (Cidade da Criança)

No relato de suas memórias de infância, Gustavo Barroso nos fala de um passeio pela manhã de 5ª. Feira, dia de folga (não houve aula), que realizara com sua tia até o Parque da Liberdade, onde existia “....grande lago represado em magelas de cimento como um tanque, que foi a antiga Lagoa do Garrote”. Naquele dia, ele vira no reservatório do Pajeú, “caboclinhos e moleques” a tomarem banho livremente, o que lhe causou inveja, mesmo que por um instante, por não poder brincar como eles, porque era um filho-família. O episódio por si só demonstra a diferença de hábitos, sendo o banho de lagoa e/ou rio um costume que não deveria ser mais praticado, por ir de encontro às posturas do município, que não só proibia o banho nos reservatórios públicos, como ameaçava com punição ao infrator. O titulo VI em capitulo de n° II legisla sobre “bulhas, vozerias, obscenidades e ofensas à moral” com a novidade: punição para a pessoa que se banhar à luz do dia “no corrente da Rua do Poço, na Lagoa do Garrote, Pajeú e outros lugares expostos às vistas dos viandantes ou de quem estiver em casa”. 


O Açude do Pajeú ficava no atual Parque Pajeú (ou Parque das Esculturas) localizado entre a rua 25 de Março e a Avenida Dom Manuel. (foto anuário do Ceará)

Entretanto, essa regra municipal que atenta para a condução e preservação de um pudor e de uma moral comunitária, já estava presente em códigos anteriores, em que os banhos na Lagoa do Garrote, em que se empenhavam os rapazes nus, provocou a vigência do artigo 70, de posturas de 11 de maio de 1849, proibindo a apresentação de qualquer pessoa despida das seis da manhã às 6 da tarde.
Se as mudanças do espaço urbano se deram já na primeira metade do século XIX, seria no entanto, a partir da segunda metade que a rua iria sofrer significativas alterações, isso porque essas modificações eram fruto de um processo de transformação capitalista do mundo, e da expansão de uma nova ordem burguesa que ora se mundializava atingindo em cheio as mais diversas áreas.
Em decorrência, o que aconteceu nesse contento foi a emergência de uma ordem urbano-industrial que exigiu desse espaço público sua adequação aos padrões desejados de modernidade e progresso. Assim, a rua refletiu a transformação do espaço e a reordenação da vida.


Portão de acesso ao Passeio Público, onde a Avenida Caio Prado era a vitrine das elites durante o período conhecido como Belle Epoque 

Em Fortaleza essas mudanças coincidiram com o início do período conhecido como belle époque, onde a elite formada por comerciantes e profissionais liberais vindos de outras regiões do Brasil e do exterior, ajudou a promover diversas mudanças importantes em Fortaleza. De influência francesa e baseada em ideais de civilidade, esse contingente teve atuação destacada no período compreendido entre 1860 até por volta da metade dos anos 1920, onde a cidade foi amplamente influenciada pelas ideais de modernidade estética e comportamental.

Extraído do livro 
Humor, Vergonha e Decoro na Cidade de Fortaleza (1850-1890)
De Marco Aurélio Ferreira da Silva 
Coleção Outras Histórias
fotos do Arquivo Nirez e postais antigos

quarta-feira, 4 de outubro de 2017

A Construção da Mobilidade

Quando visitou a então Vila de Fortaleza em 1810, o visitante britânico Henry Koster ressaltou a grande dificuldade de transportes terrestres, e a falta de um porto. “As terríveis secas que assolam a região afastam algumas ousadas esperanças no desenvolvimento de sua prosperidade”. Contra todas as evidências, contra o areal que parecia não ter fim, contra o sol escaldante, Fortaleza cresceu. Principalmente a partir da segunda metade do século XIX, por conta de um ditame econômico.

O algodão produzido no interior, beneficiado pela crise que abalara o mercado norte-americano do produto, passava pela capital para abastecer em grande medida, a indústria da Inglaterra e fomentar o capitalismo europeu. 

Ponte Metálica - Arquivo Nirez

Os ingleses suplantaram as empresas portuguesas na área e os empresários locais se aproveitaram sabiamente da conjuntura para realizar negócios com os anglo-saxões. Foi um período de esplendor financeiro, artístico, urbanístico, científico para Fortaleza.
Mas, por muito tempo, o porto foi de trapiches que se seguravam de pé à revelia do vento. Somente em 1906 surge a Ponte Metálica, erguida em concreto – um escoadouro menos improvisado para uma cidade que fazia sua fortuna da exportação de algodão pela via marítima. Localizada na Avenida Tamandaré, a Ponte Metálica seria o porto oficial da cidade até a década de 1950, quando a função foi transferida para o Mucuripe, lugar, cuja profundidade permitia a atracação de embarcações de maior porte.


Avenida Almirante Tamandaré, que já foi chamada de Avenida Atlântica (acervo Jesuíno Vianna)

Em julho de 1873, dormentes e trilhos, com a Via Férrea de Baturité passam a ligar a capital ao interior – primeiro Baturité, depois Sobral. A importância não se limitava ao simples “advento da máquina”. Era uma mudança de hábitos. O trem compartilhava o jornal, o boato; servia de relógio e esperança; despertava a necessidade de novos serviços e edificações.
O marco foi a inauguração da Estação Central; depois vem ao sul a Estação da Parangaba, antiga Arronches, inaugurada também em 1873, e, em seguida, as de Mondubim e Maracanaú (1875), Marítima (1878), Pajuçara (1918), Otávio Bonfim (1922) e Couto Fernandes (1940). Ao norte, Antônio Bezerra, Caucaia (1917) e Álvaro Weyne (1926).




A construção da Estrada de Ferro Baturité e a conexão de trem com o porto, marcam o período da economia calcada no cultivo de algodão num contexto muito favorável à Fortaleza e a todo o Estado. A cidade abre-se ao mundo e amplia sua relação com o sertão. Para que os mascates fortalezenses ganhassem dinheiro, o trem teve de se expandir e se conjugar com o porto. Mas acabou ajudando a modernizar a urbe.


Depois vieram os bondes. Só embarcava nos bondes quem estivesse decente.  Decente, no vocabulário do século XIX queria dizer paletó, colarinho, sapato. O aviso servia tanto para o transporte público, lançado em 1880, por atração animal, quanto para o elétrico, de 1913.

Os primeiros bondes, 25 ao todo, com 25 lugares cada, andavam 7.500 metros, de meia em meia hora, e enquanto houvesse passageiros nas avenidas centrais. Os bondes significaram novo e importante espaço de sociabilidade; em livros, jornais e revistas não é raro encontrar referências a conversas e acontecimentos advindos de seus bancos.

Em 1895, a concessionária dos transportes urbanos, a Companhia Ferro Carril do Ceará, contava com 11.527 metros de linha, atendendo a diversos pontos da cidade e arrabaldes, como a linha da Praia, a da Estação do Caminho de Ferro, a da Rua Padre Mororó, a de Pelotas, a da Fábrica de Tecidos, do Benfica, e a do Bouvelard Visconde do Rio Branco. 

A instalação dos serviços de transportes coletivos, possibilitou o crescimento da cidade em direção aos arrabaldes, uma vez que os que residiam fora do núcleo central passaram a utilizar os bondes em seus deslocamentos. O crescimento orientou-se para as zonas sul e oeste, no sentido oposto ao litoral. A expansão acompanha as antigas estradas do Jacarecanga, Soure, Arronches e Aquiraz.      

Foram, assim como as ferrovias, objetivados como símbolo de modernidade; não por acaso, pouco tempo depois surgiu um pasquim intitulado o Bond, contemporâneo de outros ditos jocosos. Os bondes elétricos exigiam certas características que a cidade ainda se recusava a ter.

As calçadas e os calçamentos – se estenderam ainda mais sobre o areal em brasa; as praças, sem bordas ou limites, foram redimensionadas; e o pedestre se adaptava a um trânsito ainda incipiente. Segundo Mozart Soriano Aderaldo, foi o automóvel que obrigou os administradores a melhorar a pavimentação, imaginando-se a situação provisório do trilho de pedra para ônibus, seguida do piso de concreto e, finalmente, de asfalto.

O primeiro automóvel chegou em 1909; a primeira linha de ônibus, em 1928. Mais rápidos e mais lucrativos, os ônibus aposentariam os bondes em 1947. A prefeitura vende os trilhos de aço e os fios de cobre e dá fim a uma era. Começava assim a Fortaleza movida a petróleo.

vista de Fortaleza na década de 1930

A população se multiplica vertiginosamente: 16 mil habitantes em 1863; 27 mil em 1887; 50 mil em 1900; em 1930 ultrapassa os 100 mil; em 1950, 270 mil; em 1960, 500 mil; na década de 70, atinge a casa de 1 milhão.

O quadrilátero formado pelas avenidas Duque de Caxias, Dom Manuel e Imperador, data de 1875, quando Adolfo Herbster desenhou a Planta Exacta de Fortaleza. Durante muito tempo foram as vias que delimitavam o centro da cidade. As ligações com o sertão foram determinantes neste desenho. Mas a expansão veloz a oeste e leste desafiava os urbanistas. 

fonte: Anuário de Fortaleza 
fotos arquivo Nirez

terça-feira, 19 de setembro de 2017

O Legado da Oligarquia comandada pelo Governo Accioly


A partir de 1896, com a posse do Comendador Antônio Pinto Nogueira Accioly na presidência do Ceará, recrudesceram os investimentos na normatização urbano-social de Fortaleza. Guilherme César da Rocha, Intendente de Fortaleza desde 1892, permaneceria no cargo até 1912, sendo a sua a mais longa administração de Fortaleza.
Durante este período, o intendente embelezou a cidade copiando modelos franceses. Sua primeira grande obra foi a conclusão do Mercado de Ferro, em 1897. Fabricado na França por Guillon Pelletier, de Orleans, de acordo com projeto do arquiteto Lefevre. O novo mercado iniciava uma série de melhoramentos na cidade, sob influência da cultura francesa, com seu espírito de progresso e civilização apoiado no senso de solidez e elegância.


Depois do mercado, vieram as remodelações das três principais praças da cidade: a do Ferreira, em 1902, a Marquês de Herval em 1903, e a Caio Prado, em frente à Igreja da Sé, todas inauguradas com grandes festejos populares.

Nestes logradouros foram introduzidos canteiros de flores, avenidas, réplicas de estátuas gregas, vasos importados, chafarizes e largos pavilhões para ocorrência de retretas, patinação e ginástica. A regeneração das praças, portanto, vai muito além do mero aformoseamento: facilitava a circulação e determinava novas regras de convivência e utilização do espaço público, além de estimular a prática de exercícios físicos nos jovens e estudantes, tidos como saudáveis aos costumes e à saúde.

Praça do Ferreira 
Praça José de Alencar
Praça Caio Pado (Praça da Sé)

Atento e vigilante ao embelezamento da cidade, Guilherme Rocha também procurou fazer cumprir o Código de Posturas de 1893, que prescrevia a adoção de uma padronização formal nas platibandas, obrigatórias nas fachadas de frente, bem como nos vãos de portas e janelas externas. Para manter a harmonia do conjunto urbano, tentou impedir as construções que não obedecessem às linhas gerais definidas pelo Código. Com base no artigo 12 do Código, o intendente exigiu que as esquinas fossem cortadas em dois ângulos obtusos, o que provocou reação da oposição.

Outra importante iniciativa desse período, foi a criação da Faculdade Livre de Direito do Ceará, instalada oficialmente em 1° de março de 1903.  O curso passou a funcionar no primeiro andar do prédio da Assembleia Legislativa (atualmente ocupado pelo Museu do Ceará), sendo aclamado primeiro Diretor o Dr. Antônio Pinto Nogueira Accioly, que nessa época, embora não ocupasse o cargo de presidente do Estado, interferia direta e decisivamente em todas as decisões políticas.


No período entre 1900 a 1904, o Estado foi governado por Pedro Borges. A administração Pedro Borges nasceu sob o signo da oligarquia comandada por Accioly. O vínculo político que o mantinha ligado ao Dr. Nogueira Accioly fez de sua administração um elo partidário ligado a corrente que governou o Ceará por longo período, uma continuação da administração de Accioly. Quase nada ficou registrado em termos de realização.

Nogueira Accioly voltou ao posto de presidente, num segundo mandato, em 1904, administrando os conflitos registrados no interior, principalmente com relação às desavenças entre os coronéis. Não se interessou pelos problemas sociais, nem investiu no progresso do Estado, limitando-se aos interesses políticos.

Accioly foi novamente eleito, para um terceiro mandato iniciado em 1908. Nesse mesmo ano foi iniciada a construção do que seria a maior realização do longo governo Accioly: o Teatro José de Alencar. Inaugurado oficialmente no dia 17 de junho de 1910, a casa de espetáculos foi entregue ao público da província pelo Presidente do Estado, com direito a longo discurso proferido por Júlio César da Fonseca, e um concerto pela Banda de Música do Corpo de Segurança do Estado, sob as batutas dos maestros Luis Maris Smido e Henrique Jorge.


O Teatro José de Alencar, raro espécime de arquitetura eclética foi erguido entre dois outros edifícios, uma escola (Escola Normal) e um quartel de polícia (Batalhão de Segurança). Além da sala de espetáculos, em ferro fundido e madeira importada da Europa, compunham o teatro um primeiro prédio que o guardava do contato da praça, e uma caixa de cena em tijolo e madeira, com inovações técnicas até então inusitadas para o teatro local.

Nogueira Accioly e o Intendente Guilherme Rocha encerraram suas carreiras políticas e seus longos mandatos a frente do Estado e da Prefeitura no ano de 1912, quando uma grande revolta popular transformou Fortaleza num campo de batalha. Deposto, o ex-presidente embarcou para o Rio de Janeiro, onde fixou residência, até seu falecimento em 14 de janeiro de 1921.Decorridos 105 anos do fim da Oligarquia comandada por Nogueira Accioly, algumas de suas realizações ainda marcam presença na cidade.  

mercado dos Pinhões e da Aerolândia (foto Fortaleza em Fotos e G1)

O Mercado de Ferro era constituído de dois pavilhões idênticos, com uma “avenida” coberta unindo-os. A partir do início dos anos 30 começou a perder sua função de centro de abastecimento de produtos frescos, e foi desmontado em 1938, na gestão do Dr. Raimundo de Alencar Araripe. Um dos pavilhões foi transferido para a Praça Visconde Pelotas, e é conhecido por “Mercado dos Pinhões”. A outra metade foi montada na Praça São Sebastião, e posteriormente, novamente desmontado e levado para a Aerolândia, às margens da BR-116, onde permanece até hoje. Foi recuperado recentemente e encontra-se em pleno funcionamento.  


a Faculdade de Direito foi federalizada em 9 de abril de 1934, sem nenhum ônus para os cofres da União. Em 12 de maio de 1938, o Curso foi oficialmente reconhecido pelo Governo Federal através do Decreto-Lei Nº 421. Em 8 de dezembro de 1935 foi assentada a pedra fundamental do prédio da Faculdade de Direito, na então Praça de Pelotas, depois Praça da Bandeira, atual Praça Clóvis Beviláqua.  A inauguração ocorreu quase três anos depois, no dia 12 de março de 1938.

portaria do Teatro José de Alencar (foto Fortaleza em Fotos)
Teatro José de Alencar (imagem portal G1 - agência Diário)

O Teatro já foi restaurado diversas vezes desde a sua inauguração em 1910. Jardim do Paisagista Burle Marx, que conta com palco ao ar livre, foi inaugurado em 1975 e reinaugurado em 1991. Com plantas nativas, tem a cara da terra de Iracema: cajueiros, jucás, juazeiros, oitizeiros, palmeiras e pau brasil. Tem a maior cascata verde do Ceará, com mais de 10 metros de altura. É até hoje, um dos mais belos teatros do Brasil.

fotos: Arquivo Nirez e Ah, Fortaleza!