quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

O Primeiro Aparelho de Rádio de Fortaleza

Rádio antigo marca Admiral
O primeiro aparelho de radio receptor surgiu em Fortaleza no ano de 1922, ano em que se comemora o centenário da independência do Brasil. Sua construção deve-se à habilidade do rádio-amador cearense Clóvis Meton de Alencar.
Corria o mês de outubro. De volta do Rio de janeiro, onde fora assistir aos festejos ali realizados, e onde tivera a oportunidade  de ver um aparelho de rádio em funcionamento, na residência do então ministro Francisco Sá, o engenheiro Clóvis de Alencar dedicou-se a tarefa de construir um aparelho idêntico. 
conjunto de válvulas para aparelhos de rádio
imagem:  http://www.museudoradio.com
Para realização do projeto, enfrentou várias dificuldades, a primeira delas, a falta de material adequado.  Ainda no Rio de Janeiro, tratou de conseguir o necessário.
Percorreu inutilmente várias casas comerciais cariocas, e grande foi sua decepção ao verificar que não havia permissão para a comercialização do tal material.
Por informação de um amigo, soube que a companhia West Eletric, com estação experimental instalada no alto do Corcovado, tinha distribuído, a título de propaganda, algumas lâmpadas receptoras 216-A (válvulas), de sua fabricação.
Mesmo com alguma dificuldade, comprou uma dessas lâmpadas pela importância de 150$000. Foi esse todo o material que obteve para o seu receptor, o qual trouxe para Fortaleza.
Logo no dia seguinte deu inicio aos trabalhos de montagem do receptor, num simples pedaço de madeira medindo 30cm de comprimento por 25 de altura.
Os demais componentes tais como soquetes, condensadores, resistências, bobinas e baterias, foram confeccionados por ele próprio. O aparelho montado de forma precária, passou a funcionar satisfatoriamente. 
modelo de aparelho receptor - 1935
imagem: http://www.museudoradio.com
E na noite do dia 4 de outubro, juntamente com um grupo de amigos, Clóvis de Alencar conseguiu, a certas horas da noite, ouvir com perfeita nitidez uma transmissão gerada no Rio de Janeiro, pela estação que estava em experiência no Corcovado, que era a Rádio Clube do Brasil.
Clóvis Meton de Alencar foi o primeiro a ouvir uma transmissão radiofônica, não só em Fortaleza, mas em todo Norte e Nordeste do Brasil.
Na opinião de técnicos, a esse tempo as transmissões  feitas pelas ondas de rádio das grandes estações tinham um alcance de 5 mil a 10 mil metros. Assim quando Meton falou para alguns amigos que estava montando um receptor para captar as irradiações da Europa, eles não levaram a sério, pois não achavam possível que um aparelho tão rudimentar, pudesse captar sinais de tamanha distância.
No entanto, graças à sua persistência e habilidade, conseguiu o seu intento, sendo esse aparelho de rádio construído exclusivamente graças ao seu esforço, o qual utilizou como manual de instruções uma brochura francesa de Consté, que ensinava como fazer a montagem de um aparelho regenerativo para ouvir, em Paris, as irradiações da Torre Eiffel.
Do primitivo aparelho de Clóvis Meton, nada restou, a não ser os condensadores e bobinas.

fonte:
Coisas que o Tempo Levou - crônicas históricas da Fortaleza antiga
de Raimundo Menezes 

3 comentários:

Lúcia Bezerra de Paiva disse...

O rádio lá de casa não era tão bonito como este do post, lembro que era em madeira clara. Alí, pelo início dos anos 1950 a gente conseguia ouvir a Rádio Nacional e a Roquete Pinto, ambas do Rio.
Quando queimava uma válvula era um suplício! a gente perdia as rádio novelas, "Gerônimo, o Herói do sertão", "Assombração", "Coisas que o Tempo Levou", "Balança, mas não cai" "A vida como ela é" e tantos mais....não tinha a "maldita" tv.....

Recordar, é viver....VALEU!!!!

Fátima Garcia disse...

esse da foto meu irmão ganhou de presente de um amigo. Não sei se ainda funciona, mas que faz presença, faz.

JoãoDamasceno disse...

Algumas implementações: Foi possível ouvir a rádio do Rio de Janeiro aqui em Fortaleza (Rádio Clube do Brasil) e em especial durante a noite, porque as transmissões eram realizadas em "Ondas Curtas" (o que de fato permite um alcance excepcional). Já no trecho "as grandes estações tinham um alcance de 5 mil a 10 mil metros", bem, creio haver um equívoco aí, seriam na verdade 5 mil a 10 mil QUILÔMETROS (e não metros). E as tais "grandes estações", bem, muitas delas ainda estão aí... Ainda hoje, eu, com meu receptor de ondas curtas escuto normalmente a Voz da América, a BBC, uma infinidade de rádios chinesas, a Habana Cuba, Rádio França Internacional, Rádio Romênia, aqui no Brasil a Brasil Central, a Rádio Nacional do Amazonas, a Rádio Inconfidência de Belo Horizonte... etc. Só a título de curiosidade meu recorde de recepção de um sinal de rádio em ondas curtas se deu esse ano (2017) quando ouvi uma rádio americana na Ilha de Guam no Pacífico totalizando algo como 19 mil quilômetros de distância (e olha que não estou falando de Internet ou "via satélites") é só eu meu rádio e minha antena e a rádio transmissora. Tenho tudo documentado... rs... Valeu, parabéns pelo excelente site e tudo de bom.

P.S. Só achei uma pena não trazer o atual estado do rádio hoje (se é que ele existe).