quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Paróquia de Nossa Senhora de Nazaré


Enquanto corria o ano de 1941, o atual Bairro do Montese não passava de uma extensa área verde muito pouco habitada. Os terrenos eram de propriedade de algumas famílias e se constituíam de grandes sítios onde predominavam cajueiros, mangueiras e plantas medicinais como mangirioba-do Pará e melão Caetano.
Alguns sítios tinham nomes que são conhecidos até hoje: Bom Futuro, Mata do Dummar, Mata do Parreão, Pirocaia e Jardim América.
O Sitio Bom Futuro era de propriedade da família Chaves, do Sr. Sindulfo Serafim Ferreira Chaves e sua mulher, Dulcinéia Gondim Chaves. No dia 09 de setembro de 1939 o casal fez à Arquidiocese de Fortaleza a doação de um terreno para a construção de uma igreja.
Na época existia uma pequena capela localizada na Rua Samuel Uchoa, que pertencia à Paróquia de Nossa Senhora dos Remédios, dirigida pelos padres lazaristas holandeses. Com a doação do terreno, o Padre Pedro Vermeuler pode iniciar a construção da futura igreja, com base em uma planta feita pelo arquiteto Dr. Aristides Barreto Neto.
A nova igreja deveria ter o formato de uma cruz, mas por falta de recursos foram construídos somente a parte do altar-mor e os dois braços, ficando as obras paradas até 1948.
Neste ano assumiu a responsabilidade pela construção o Padre Pedro Haazevoet, que procurou novamente o arquiteto e solicitou uma nova planta, uma vez que a primeira havia-se extraviado.

O arquiteto atendeu ao pedido fazendo uma planta baseada num postal enviado pelo próprio padre Pedro, quando ainda era seminarista, que reproduzia uma igreja na Holanda.
No Sítio do Sr. José Chaves havia uma imagem de Nossa Senhora de Nazaré, guardada no depósito reservado ao resíduo do gado.
Uma hóspede do Sr. José Chaves, Dona Júlia Guerreiro Rocha, pediu que o dono do sítio doasse aquela imagem para a igreja que estava sendo construída. A imagem foi então restaurada e levada para a Casa de Nazaré, dirigida pelas Irmãs Filhas da caridade de São Vicente de Paula, onde ficou até a construção do altar da nova igreja.


Pelo Decreto n° 81 da Arquidiocese de Fortaleza, o então arcebispo de Fortaleza Dom Antonio de Almeida Lustosa criou a Paróquia de Nossa Senhora de Nazaré, no dia 15 de fevereiro de 1952.
Em 1999 a Paróquia passou por um incidente que abalou o templo e causou comoção nos fiéis: numa noite chuvosa, um raio atingiu a igreja e causou o desmoronamento da torre principal.
A torre foi recuperada em tempo recorde, sem prejuízo das suas características originais.



A Paróquia de Nazaré tem arquitetura moderna, poucas imagens, muita iluminação, muita atividade pastoral pelo bairro do Montese e arredores, e o auge da novidade em igrejas, sinos eletrônicos.
O equipamento foi adquirido há cerca de quatro anos e substitui os sinos tradicionais, feitos de bronze, que continuam na torre da Igreja de Nazaré. A intenção era a de atrair o maior número possível de fiéis, com o som das badaladas, objetivo que já não era alcançado pelo sino de bronze devido ao crescimento da comunidade. Há tempos o pároco queria trocar o sino. Um dia viu um anúncio sobre eletrônicos pela internet. Interessou-se e comprou o equipamento por R$ 12 mil, pagos em parcelas mensais.
O sino eletrônico possui um programa com mais de 300 músicas. O volume da badalada e o intervalo de tempo em que deve soar pode ser programado. O equipamento eletrônico reproduz as badaladas dos sinos do Vaticano, além de tocar hinos religiosos e músicas como a Ave Maria de Schubert, todas as noites às seis, e Noite Feliz, durante o período natalino.

A Paróquia tem um papel de destaque no seio da comunidade católica do bairro do Montese.
Praça da Igreja de Nazaré; ao fundo o Supermercado Extra Montese
A Igreja de Nossa Senhora de Nazaré fica na Rua Jorge Dumar, 2448, Montese, Zona Oeste de Fortaleza


Por quem os sinos dobram?


Nenhum homem é uma ilha isolada;
cada homem é uma partícula do continente, uma parte da terra;
se um torrão é arrastado para o mar, a Europa fica diminuída,
como se fosse um promontório,
como se fosse a casa dos teus amigos ou a tua própria;
a morte de qualquer homem me diminui,
porque sou parte do gênero humano.
Por isso nunca perguntes por quem os sinos dobram;
eles dobram por ti.
Jonh Donne (1572 – 1631)


Não se sabe ao certo quem foi o idealizador do sino como é conhecido hoje. Segundo relato de Santo Isidoro de Sevilha, falecido em 636, sua origem é a região da Campânia, Itália, provavelmente na cidade de Nola. No tempo de Carlos Magno, que reinou de 768 a 814, os sinos já eram muito conhecidos.
O sino nasceu católico, sua invenção foi reservada à Igreja. Nos primórdios do cristianismo, era utilizado para chamar os cristãos para as reuniões. Durante o período das perseguições, ficavam silenciosos para não despertar a atenção dos pagãos.
Com a expansão da Igreja católica, a maioria das povoações, colonizadas pelos cristãos europeus, tinha uma igreja dominando a paisagem, e os sinos serviam para regular a vida dos moradores do lugar.
Com seu toque característico, anunciavam as datas festivas e tristes, os nascimentos e as mortes, marcavam eventos como as procissões, casamentos, batizados, alertavam sobre sinistros e ataques, para reunir a população para algum comunicado, avisar aos fiéis sobre o inicio das missas e ofícios religiosos. Os sinos indicavam ainda as chamadas horas canônicas e a passagem das horas do dia.
Em Fortaleza o sino da matriz anunciava o falecimento de moradores, mas o costume foi abandonado a partir de 1878, quando a pior seca da história do Ceará dizimou praticamente a metade da população do Estado e Fortaleza se tornou a Meca dos flagelados.
Nos dias atuais com alcance reduzido devido ao tamanho das cidades, os sinos continuam repicando e remetendo às suas origens. Nas igrejas tocam na sexta-feira santa, para lembrar a crucificação e no domingo de Páscoa, para comemorar a ressurreição.
Tocam no Natal, nas festas dos padroeiros, nas procissões e na chamada para as missas.
Os fiéis católicos dizem que os sinos indicam a presença de Deus no local, por isso, reza a tradição, quando um sino toca, Deus está por perto, e escuta a prece com mais atenção

fontes:
sobre a Igreja de Nazaré - registros do templo.
reportagem do Jornal Diário do Nordeste

8 comentários:

Lúcia Paiva disse...

pConheci quando era Pirocaia....lá em casa só se tomava "água da Pirocaia" que era vendida em barris:um burrinho carregava quatro barris, um vendedor puxava o burrinho, coitado,que quando empacava era açoitado com um chicote...."olha a água da Prirocaia"...o homem gritava, pelas ruas de Fortaleza...

A igreja da Paróquia de Nazaré é linda!....o bairro Montese é gostoso, ainda há muitas casas, além de ser auto-suficiente...

Gostei,amiga!

Fatima Garcia disse...

engraçada é essa estória da água da pirocaia, ninguem sabe dizer de onde vinha essa água, onde era a fonte ou o reservatório, mas toda cidade conhece a fama da boa qualidade da água. A conferir.
bjs

Lúcia Paiva disse...

Confira e venha nos contar aqui.
Penhorada..rsrsr agradeço!

Um abraço!

Anônimo disse...

MORAMOS NO BENFICA,CATÓLICOS PRATICANTE,COSTUMAMOS ASSITIR A SANTA MISSA EM IGREJAS DO NOSSO BAIRRO.PORÉM, NESTE SABADO DIA 24 DE MARÇO PARTICIPAMOS DA MISSA NA IGREJA DE NAZARÉ COM O PADRE FABIO , FICAMOS MUITO FELIZES PORQUE FOI UMA LINDA MISSA, UMA DAS MAIS BONITA QUE NÓS JA ASSISTIMOS. PADRE FABIO NOTA MIL!

Anônimo disse...

Fui batizado, crismado e fiz a 1ª eucaristia na Igreja de N.S. de Nazaré...As pregações de Pe. Félix, Pe. Emílio, Pe. Batista, entre tantos outros sacerdotes dedicados dessa paróquia querida, moldaram minha formação moral e religiosa. Há 10 anos me casei e deixei meu querido Bom Futuro para morar em outra parte dessa gigante Fortaleza, mas, as recordações dos momentos que lá vivi batem profundo e me acompanharão pelo resto da vida.

Seu blog é fantástico. Parabéns e muito obrigado por esse resgate.

Anônimo disse...

Fui batizado, crismado e fiz a 1ª eucaristia na Igreja de N.S. de Nazaré...As pregações de Pe. Félix, Pe. Emílio, Pe. Batista, entre tantos outros sacerdotes dedicados dessa paróquia querida, moldaram minha formação moral e religiosa. Há 10 anos me casei e deixei meu querido Bom Futuro para morar em outra parte dessa gigante Fortaleza, mas, as recordações dos momentos que lá vivi batem profundo e me acompanharão pelo resto da vida.

Seu blog é fantástico. Parabéns e muito obrigado por esse resgate.

Paulo

Fátima Garcia disse...

Olá Paulo,
que bom que você gostou do blog, obrigada e volte sempre. Acho linda Igreja de Nazaré, moro pertinho e sempre passo por lá.

Anônimo disse...

Olá, gostaria de saber se a igreja realizara batizados para adolescentes,e primeira eucaristia. Eu tenho 14 anos e gostaria de saber se posso fazer em 1 ano a eucaristia e a crisma juntas depois de me batizar.