sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Fortaleza anos 40 - O Cabaré da Margô

foto meramente ilustrativa 
(a imagem em questão encontra-se numa das paredes do Sobrado Dr. José Lourenço, o qual durante algum tempo, também abrigou um cabaré) 

Margô era uma moça alta, esguia e charmosa que veio à Fortaleza para gerenciar o Night Club, estabelecimento que funcionou na Rua Dragão do Mar no tempo da 2ª. Guerra. 
Tão bem se saiu nesse ofício, que não lhe faltou quem financiasse a montagem de uma casa particular, exclusivamente sua, que se notabilizou pela excepcional categoria  dos hóspedes.

Naquele tempo a Aldeota praticamente não tinha moradores, o lugar era conhecido como mata da Aldeota.  Margô, estrategicamente, montou sua casa nas proximidades do atual Hospital do Exército – que já existia – mas que tinha um acesso bastante complicado. 

O cabaré da Margô era frequentado pelos homens da elite: empresários, coronéis, políticos,  grandes fazendeiros; muitas personalidades de destaque em Fortaleza eram vistas por lá. Até um respeitável deputado que, ocasionalmente, assumia o governo do Estado.

Aconteceu que um dia, um jovem e entusiasmado delegado de polícia, flagrou a presença de  menores no cabaré da Margô. Fez o que mandava a lei:  prendeu a cafetina, fechou o cabaré, deu uma batida no local em busca de outras irregularidades. 

O resultado disso foi uma grande confusão: por trás das grades, Margô fez valer o seu prestígio político. O Deputado amigo, cliente assíduo do estabelecimento, estava à frente do governo e adotou medidas radicais, de modo a que ficasse claro seu apreço pela amiga “ofendida” : demitiu sumariamente o delegado.

No dia seguinte, o jornal Gazeta de Notícias – que fazia oposição ao governo – abriu manchete com estardalhaço:  Margô demite delegado.  Escândalo sem tamanho, que o governo teve de explicar através dos seus assessores e aliados políticos. 

Ao reassumir o cargo, o governador titular recolocou as coisas em seus devidos lugares, ou seja, desfez o ato de demissão do delegado. Mas o cabaré da Margô continuou em funcionamento,  de vento em popa, com ou sem a presença de menores.  


extraído do livro de Blanchard Girão
"Sessão das Quatro"  cenas e atores de um tempo mais feliz

Um comentário:

Xico Mateus disse...

Duas coisas antigas .
Barata ,(inseto) e a puta !kkkkkkkkk