terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Patrimônio Histórico – Parte II

De acordo com a Secretaria de Cultura do Estado do Ceará (Secult), o tombamento é a ação de reconhecimento de um bem material, de valor histórico, cultural, arquitetônico, ambiental e/ou simbólico para uma comunidade, a ser protegido de descaracterização ou de destruição através da aplicação de legislação específica.
Qualquer cidadão pode solicitar a abertura de um processo de tombamento desde que o bem seja reconhecido como de valor excepcional e tenha relevância para a cidade.
Tombamentos promovidos no âmbito do Estado.

Prédio da Secretaria da Fazenda
Foto de julho de 2010
Tombamento Estadual de 1982

Localizado na Avenida Alberto Nepomuceno, Centro. 
Construído pela necessidade do governo em se equipar com edifícios próprios. Inaugurado em 27 de novembro de 1927, é um exemplar da arquitetura eclética.
Antiga Cadeia Pública
foto de maio de 2010
Tombamento Estadual de 1982
Localização: Rua General Sampaio, s/n, Centro

O atual Centro de Turismo, que já abrigou a Cadeia Pública, foi projetado em 1850, levando cerca de 16 anos até ser concluído em 1906. Tem arquitetura neoclássica. 

Palácio da Luz

fotos de julho de 2010
Tombamento Estadual de 1983
Localização: Rua Sena Madureira – Centro
Atual Sede da Academia Cearense de letras, o edifício é uma edificação do Século XIX. Ali funcionou a antiga sede do governo. Em 1847, o presidente Ignácio Correia de Vasconcelos mandou construir uma muralha de 384 palmos de extensão para sustentar o aterro do largo do palácio. Com essa medida a capital ganhou um espaço que foi por muito tempo uma espécie de passeio público e que hoje é a Praça General Tíburcio.
Igreja de Nossa Senhora do Rosário
foto de abril de 2010
Tombamento Estadual de 1983
Localização: Praça General Tibúrcio, s/n – Centro

Provavelmente a edificação da Igreja do Rosário é a mais antiga de Fortaleza.

 Construída inicialmente em taipa e palha, no segundo quartel do Século XVIII, teve a capela-mor construída em pedra e cal em 1755, seguindo-se então os trabalhos até sua conclusão. 
Foi a igreja matriz de Fortaleza de 1821 a 1854. 
Sofreu reparos para sua conservação em 1855 e 1872, tendo alguns elementos descaracterizados.
Farol do Mucuripe
arquivo Nirez

Tombamento Estadual de 1983
Localizado na Avenida Vicente de Castro s/n, Bairro Mucuripe
O velho farol teve sua planta aprovada em 1829 e foi edificado no período de 1840/1846. Passou por reformas em 1872, e em 1957 foi desativado por ter se tornado obsoleto. Foi recuperado em 1982, pela Secretaria de Cultura e Desporto do Estado. 
Estação João Felipe
arquivo Nirez
Tombamento Estadual de 1983
Localização: Rua Dr. João Moreira – Centro
Edificação de fins do século XIX (1872-1880), com características neoclássicas. Construída em grande parte com mão de obra dos trabalhadores da seca de 1877-1879, foi aberta ao público em 1880.
Sua construção faz parte de um conjunto de medidas no sentido de incorporar o Nordeste ao mercado capitalista mundial, possibilitando o escoamento de mercadoria do interior para exportação pelo porto da capital
Palacete Ceará
foto: Mauricio Cals
Tombamento Estadual de 1983
Localização: Rua Guilherme Rocha, 48 – Centro
O prédio foi uma das obras mais representativas das primeiras décadas do século XX, período em que ocorre grande transformação na aparência arquitetônica da cidade.
A edificação tinha originalmente amplos salões corridos, contíguos à escada de acesso, nos quais funcionava um restaurante no térreo, e nos andares superiores, o Clube Iracema, local de encontro do mundo elegante da cidade.
Foi adquirido pela Caixa Econômica em 1945. Vitimado por um incêndio em 1982, teve seu interior totalmente destruído, conservando, no entanto, as fachadas em bom estado.  
Cine São Luis

fotos de maio de 2010
Tombamento Estadual de 1991
Localização: Praça do Ferreira – Centro

A construção teve inicio em 1939 e só terminou em 1958. O hall para a platéia e para o balcão com suas escadarias tem piso e revestimento em mármore de carrara e lustres de cristal importados da então Tchecoslováquia.
Apresenta elementos art-decó tardios bem como elementos neoclássicos. A sessão inaugural aconteceu às 21 horas do dia 26 de março de 1958.
Último dos cinemas do centro, entrou no século XXI ameaçado de fechamento. Em 2005 foi transformado no Centro Cultural Sesc/Luiz Severiano Ribeiro.


Praça General Tibúrcio (Praça dos Leões)
foto de abril de 2010
Tombamento Estadual de 1991
Localização: Rua General Bezerril, Rua São Paulo, Rua Sena Madureira – Centro

A praça apresenta desenho geométrico regular, característica do período neoclássico, sendo que sua construção data de 1887. 

Ali estão edificações importantes do conjunto arquitetônico do Centro: A Igreja do Rosário e o Palácio da Luz. No centro do logradouro, ergue-se o monumento do General Tibúrcio, e na confluência das Ruas São Paulo e Sena Madureira, monumentos com leões. 
A Praça General Tibúrcio Já foi chamada de Largo do Palácio, Pátio do Palácio, Praça do Palácio e Praça 16 de Novembro.
Solar Fernandes Vieira
foto de agosto de 2010
Tombamento estadual de 1995
Localização: Rua Senador Pompeu, 648 – Centro
Foi construído no terceiro quartel do século XIX, para a residência do deputado Miguel Fernandes Vieira (1819-1879). 
Adquirido em 1883 pelo Governo Imperial para sediar a tesouraria da Fazenda, o edifício passou por diversas reformas e ampliações, quando sediou várias instituições públicas, inclusive a Receita Federal. 
O prédio é de propriedade da União estando cedido ao governo do estado. Atualmente é ocupado pelo Arquivo Público do Ceará.
Banco Frota Gentil
foto de maio de 2010
Tombamento Estadual de 1995
Localização: Rua Floriano Peixoto, 326 – Centro
O edifício foi construído em 1925. Abrigou inicialmente a Firma Frota & Gentil. Em 1931 a empresa transformou-se em Banco Frota & Gentil, funcionando até a década de 1960. Posteriormente foi sede do Banco Mercantil de São Paulo. A construção se insere no contexto do ecletismo arquitetônico.
Sociedade União Cearense
foto de julho de 2010
Tombamento Estadual de 1995
Localização: Rua Dr. João Moreira, 143 – Centro
Construído no final do Século XIX, no local funcionou inicialmente o Hotel do Norte, sediando depois a Sociedade União Cearense. Entre 1895 e 1935 foi sede dos Correios. 
Posteriormente foi adquirido pela Ceará  Tramway Light & Power Co.Ltd, companhia inglesa que explorou a energia elétrica e o serviço de bonde da cidade. 
Propriedade da Coelce até o início do século XXI, foi adquirido pela FIEC, para abrigar a sede da IAB-CE, da Orquestra Sinfônica e do Museu da Indústria.
Antiga Escola Normal
foto Maurício Cals
Tombamento Estadual de 1995
Localização: Rua Liberato Barroso, 525 – Centro
Inaugurado em 1884, o edifício sediou a escola Normal até 1923. O aspecto da edificação foi provavelmente modernizado nessa época, quando teve sua coberta modificada, implantando-se uma platibanda no lugar da antiga coberta.
Entre 1947 e 1954, o prédio serviu de sede para o Instituto Médico do Ceará e depois para a faculdade de Odontologia da UFC.
Desde 1987 sedia a 4ª Superintendência do IPHAN.
Sobrado do Dr. José Lourenço

foto de agosto de 2010
Tombamento Estadual de 2004
Localização: Rua Major Facundo – Centro

De propriedade do médico e deputado José Lourenço de Castro e Silva, nascido no Aracati em 1805, o sobrado foi construído em meados do século XIX.
Após a morte do médico em 1874, a família alugou o imóvel ao Tribunal de Relação de Fortaleza. Também funcionou no sobrado a Fênix Caixeiral e a Prefeitura Municipal.
O edifício apresenta estilo neoclássico e é um dos imóveis mais altos da Fortaleza antiga, com três pavimentos.
Galpões da RFFSA
foto Secult
Tombamento Estadual de 2004
Localização: Rua Dr. João Moreira – Centro
Localizados ao lado da Estação João Felipe, os galpões foram construídos em estilo neoclássico, em 1924, para receber e armazenar mercadorias vindas do interior pela estrada de ferro. O terreno onde esses edifícios foram erguidos e o mesmo onde se situavam os antigos cemitérios de São Casimiro e dos Ingleses.


fontes:
Secult
Jornal O Povo
Revista Fortaleza, fascículo 10
Cronologia Ilustrada de Fortaleza, de Miguel Ângelo de Azevedo

2 comentários:

Lúcia Bezerra de Paiva disse...

Lamentamos pelos bens materiais que foram "tombados", literalmente, pelo descuido das autoridade... mas, vendo essas maravilhas que restaram, temos que nos alegrar pelas atitudes tomadas mais recentemente, com o tombamento legal.
Tudo depende muito da educação da população. Bem tombado, nem sempre é bem conservado....temos que estar "de olho" e exigir, das autoridades,a cosevação dos bens, educando o seu povo....

Fátima Garcia disse...

esses até que estão em bom estado de conservação, identifiquei a data das fotos para que se tenha uma noção que a imagem é recente. Um dos problemas mais sérios que se enfrenta é mesmo a falta de educação de alguns segmentos da população, o imóvel é pintado num dia, dia seguinte alguém já foi lá e fez uma pichação, a produção intelectual dos idiotas, o cartão de visitas de beócios.