domingo, 7 de novembro de 2010

O Golpe Militar de 1964 no Ceará

A paz alcançada. A vitória da causa democrática abre o País a perspectiva de trabalhar em paz e de vencer as graves dificuldades atuais. Não se pode, evidentemente, aceitar que essa perspectiva seja toldada, que os ânimos sejam postos a fogo. Assim o querem as Forças Armadas, assim o quer o povo brasileiro e assim deverá ser, pelo bem do Brasil”
(Editorial de O Povo – Fortaleza – 3 de Abril de 1964)

O Governador era Virgilio Távora (1963-1966), que mesmo sendo um político conservador, herdeiro de tradicional oligarquia cearense, mantinha boas relações com o governo do Presidente João Goulart (1961-1964). Tal proximidade com Jango deixava Virgilio Távora numa posição delicada naquele complicado jogo político do Brasil na década de 1960. O governador condenava o reformismo de Jango, mas não se declarava adversário do presidente porque precisava das verbas federais e do apoio técnico para a modernização do estado. Os conservadores reagiam contra o que chamavam de articulações comunistas no Ceará. A ala conservadora da Igreja Católica local fazia intensa pregação anticomunista, e acenava para as forças armadas na defesa da ordem pública, do regime e da pátria.
Governador Virgílio Távora

O Golpe Militar de 1964 teve efeitos dramáticos no Ceará. Como no resto do País, os meios políticos cearenses sabiam das tramas conspiratórias em andamento, embora não soubessem quando o levante militar eclodiria. 
As primeiras noticias, confusas, sobre o golpe militar chegaram a Fortaleza ainda na noite de 31 de março, pelo rádio, o principal meio de comunicação de massas. As esquerdas tentaram então articular algum tipo de resistência, tardia e inutilmente. 
Estudantes realizaram passeatas e concentrações na Praça José de Alencar, dissolvidas pelo Exército; as sedes das entidades estudantis foram invadidas pelos golpistas, seus dirigentes foram destituídos e substituídos por estudantes “democratas”. 
Trabalhadores do Porto do Mucuripe, da Rede Ferroviária e dos Correios e Telégrafos iniciaram greves, logo desmobilizadas pelos militares com a prisão dos líderes e intervenção nos sindicatos. A Rádio Dragão do Mar foi fechada por conclamar a população a resistir ao golpe.
A sede do PCB (Partido Comunista Brasileiro), o “Escritório 25 de Março” no centro de Fortaleza, foi arrombada e praticamente destruída, sendo apreendida farta “documentação subversiva”; vários “subversivos” foram presos em Fortaleza e no interior, e trazidos para o 23° Batalhão de Caçadores; casas foram invadidas, pessoas foram presas por qualquer suspeita, bibliotecas foram confiscadas e o policiamento nas ruas passou a ser feito pelo Exército. 

Capa do jornal O Povo noticiando o Golpe de 1964: a favo
Em seguida veio a cassação dos mandatos e dos direitos políticos. Muitos foram vítimas, não só as esquerdas, mas algumas lideranças moderadas, simples oposicionistas do governo. 
Foram cassados os deputados federais Moisés Pimentel e Adahil Barreto Cavalcante e os vereadores de Fortaleza Luciano Barreira, Tarcisio Leitão e Manuel Aguiar Arruda. 
A Assembléia Legislativa local foi a primeira do país a cassar deputados por razões políticas, no dia 10 de abril de 1964. Com a acusação de “falta de decoro parlamentar”, perderam o mandato Aníbal Fernandes Benevides, Raimundo Ivan Barroso, Pontes Neto, Fiúza Gomes, Blanchard Girão e Amadeu Arrais, os quais depois da sessão de cassação foram presos no 23BC.

Humberto de Alencar Castelo Branco 
A cassação desses deputados foi a maneira encontrada de salvar o governo Virgilio Távora, que contava com vários auxiliares considerados esquerdistas, e que mantinham relações cordiais com João Goulart, era visto com certa desconfiança por setores da direita e por pouco não foi derrubado em 1964, ante a pressão dos militares “linha dura”, sendo poupado graças a sua amizade pessoal com Castelo Branco e ao prestigio de seu tio, o velho Marechal Juarez Távora perante os golpistas. Teve, entretanto de fazer sacrifícios à revolução para provar fidelidade à nova ordem política, através da demissão de técnicos “comunistas” da secretaria da educação e da cassação dos mandatos dos parlamentares.
No longo prazo a instauração da ditadura favoreceu o Governo Távora: o presidente Castelo Branco, o Ministro de Obras e Viação Juarez Távora e o Superintendente da SUDENE João Gonçalves, eram cearenses, o que facilitou a liberação de recursos junto ao governo federal. 

Pesquisa:
História do Ceará de Airton de Farias
Cronologia Ilustrada de Fortaleza, de Miguel Ângelo de Azevedo (NIREZ)
Revista Fortaleza - Fascículo 4 - A Nossa Política

14 comentários:

Valeria Pianco disse...

Por que o Parque das Crianças recebeu o nome de "Cidade das Crianças?"

Fátima Garcia disse...

Valeria,
o nome do logradouro era Parque da liberdade, na década de 1930 funcionou la o primeiro jardim de infância da cidade que foi batizado de Cidade da Criança. Depois disso passaram a chamar o parque de Cidade da criança.

Félix José Ximenes Ávila disse...

Sra. Fátima,
Onde posso comprar o livro s/a Boemia Cearense, de Juarez Garcia ?

Fátima Garcia disse...

comprei num sebo, Sr. Felix, sugiro que consulte o site Estante Virtual. O titulo principal do livro é "Porque Hoje é Sábado" e o autor é Juarez Leitão
www.estantevirtual.com.br
abs

Nara lima disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Nara lima disse...

A senhora sabe alguma relação da Igreja evangélica,com a Ditadura no Ceará?

Nara lima disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Nara lima disse...

A senhora sabe alguma relação da Igreja evangélica,com a Ditadura no Ceará?

Fátima Garcia disse...

Olá Nara Lima,
não sei lhe dizer, nunca vi e nem li nada a respeito.
abs

Rafaella Rodrigues disse...

Fátima, me chamo Rafaela, gostaria muito em entrar em contato com a sr. Posso entrar em contato via wpp ? abraços.

Diego disse...

O golpe de 64 foi um capítulo curioso na História do Brasil. Havia uma política anticomunista nos Estados Unidos, devido a Guerra Fria. Eram tempos que os Estados Unidos estavam investindo maciçamente contra os soviéticos, seja em tecnologia espacial, militar e influência econômica e política o redor do mundo.
A CIA atuava com força na América Latina. Patrocinando ditaduras, grupos de Direita, golpes de estado. Aqui encontraram o ambiente propício para agir. Com grupos entre os militares tentando há tempos aplicar um golpe de estado no Brasil, esses grupos se tornaram aliados inestimáveis para avançar com seus planos.
Somente a forma como João Goulart pode assumir (parlamentarismo), já mostra como esses setores estiveram atuando desde o início para reduzir o poder do presidente ou manter sua influência acima dos planos dele.
A CIA passou a patrocinar a mídia para manchar cada vez mais a imagem de Jânio Quadros e João Goulart (também conhecido como Jango).
Jango acabou não ajudando muito a opinião pública. Suas pretendidas reformas de base iam contra os interesses dos Estados Unidos e da direita brasileira. Havia uma confusão e medo profundo dos "comunistas", no qual Jango era confundido com esses ideais. E em meio ao medo provocado no povo, os militares puderam aplicar o golpe de 64, instaurar o regime militar e consumar a tomada de poder.

Abraços

Mário Assis disse...

Gostaria de saber para onde foram parar os trilhos da ferrovia de braganca-pa, que o sr juarez Távora, desativou em 1965? Dizem que foi para o Ceará, alguém sabe algo relacionado?

Anônimo disse...

ajudou muito minha irmã no trabalho de escola dela

Anônimo disse...

jfgjutyetyurr4hjjghhgcu