domingo, 29 de maio de 2011

A Propaganda dos Anos 60



No dia 26 de novembro de 1960 entrava no ar a TV Ceará – Canal 2. A novidade passava a interferir nos hábitos de uma cidade que ainda colocava cadeiras nas calçadas. O clima era de festa, apesar dos poucos aparelhos sintonizados na nova atração, a força da imagem se impôs e alimentava o imaginário da cidade.

Os programas eram “ao vivo”, as atrações locais. Nos intervalos, os comerciais atestavam a viabilidade do empreendimento e agências substituíam  os corretores de anúncios. 
Neste contexto, junto com a TV surgiram as garotas propagandas: louras, morenas, tímidas, exibidas, discretas, com muito pó compacto e cabelos armados com laquê, elas eram as estrelas dos intervalos.  

Se os programas eram ótimos, os comerciais eram melhores ainda. Elas se tornavam íntimas dos senhores telespectadores, fadas madrinhas das donas de casa, indicando liquidações, ofertas e promoções. 
Espalhavam a boa nova pelos quatro cantos da cidade.

Rita Angélica, garota propaganda da TV Ceará 
(imagem do livro de Gilmar de Carvalho)


A idéia de introduzir as garotas propagandas na televisão foi a pioneira emissora TV Tupi, canal 3 de São Paulo, ainda em 1951. 
Depois que a televisão começou a se popularizar, ninguém mais suportava esperar os slides entre um programa e outro, que as vezes demoravam muito por causa de troca de cenário e por problemas técnicos. 

O jeito foi fazer uma forma mista de comerciais: slides e garotas propagandas. 
E era mais fácil atrair as donas de casa para os produtos anunciados se, além das imagens fosse mostrado seu funcionamento. 

E é claro que, para isso, alguém seria "escalado" para apresentá-los. É nessa hora que preferiram a idéia de uma dona de casa falando com outra. Assim surgem as garotas propaganda em nossa televisão.

Eliete Regina, atriz e garota propaganda na TV Ceará (acervo particular)

 Na telinha da TV Ceará, Stelinha Barbosa, que lembrava Marta Rocha e foi responsável por shows de beleza e grande desempenho; a loura Rita Angélica, que como nove entre dez garotas propagandas usava sabonete Sigel;  Shirley, muito discreta, teria sido a mais competente, segundo avaliação de jornais da época, anunciando o novo Simca Jangada

Simca Jangada 1962

Neste universo de estrelas brilhava Neide Maia, que lutou para atuar no rádio e na TV, numa época em que a mulher nem sonhava em disputar vagas no mercado de trabalho. Salete Dias viveu a negrinha do Óleo Pajeú, Dona Regina Lúcia fazia o gênero senhora e a ninfeta Tatiana Gaspar aquecia as vendas da boneca Pierina

Boneca Pierina da Trol - sonho de consumo das meninas da década de 1960
 
Além destas, Marizete Batista, Eliete Regina, Tonia Saldanha, Ivoneide, Vera Soares, Marileide Duarte e Tríade Gioconda. Como não podiam errar, eram colocados adesivos em portas de geladeiras que não abriam e uma delas ficou famosa como Maria Promode.  

As garotas propagandas dos primórdios da tevê cearense repetiam slogans e bordões, num tempo em que as Lojas Couto eram cinco lojas e um só preço e as loucuras de setembro aconteciam nas Lojas A Cruzeiro.  
Podiam ser encontradas fazendo comprar na Flama (símbolo de distinção) ou na Cearense, lanchando na 4.400 ou na esquina do pecado, na Praça do Ferreira. 

Rua da Palma atual Major Facundo com anúncio da Casa Nova (Nirez) 

A agência do varejo cearense era a Publicinorte. Ela ditou as regras que são válidas até hoje, adaptou o que se fazia em termos de varejo, às peculiaridades de nosso mercado e do nosso público.  
Além das lojas A Cruzeiro, outros grandes anunciantes eram Gontran  Nascimento com a sua Casa das Máquinas, as Casas Nova, de Gutemberg Teles,  As Lojas Damasceno dos irmãos Damasceno e Edgar Albuquerque.

câmeraman da TV Ceará canal 2
 (imagem do blog fortaleza antiga) 


As garotas propagandas foram decisivas para a publicidade cearense e uma alternativa afetiva à sequência de slides. Vale a pena imaginar pesadas câmaras sendo arrastadas, a quentura de um estúdio apertado, a única lente zoom do canal 2 e uma garota anunciando a próxima atração.

fontes:
Carvalho, Gilmar de. O gerente endoidou: ensaios sobre publicidade e propaganda. Fortaleza: omni ed., 2008, 157p.
http://www.sampaonline.com.br/colunas/elmo/coluna2001nov16.htm
Revista Fortaleza

6 comentários:

Lúcia Bezerra de Paiva disse...

Finalmente, alguém lembrou-se da Eliete Regina, que foi esposa do publicitário Carlos Paiva. Eliete,
vive em Natal, onde é proprietária da casa de show "Violão de Ouro".
Andei fazendo propaganda, pra agência do TT(Tarciso Tavares-que faleceu há 15 dias), das lojas Ocapana...mas, eu sou uma "ilustre"' desconhecida rsrsrs...Vou conversar com o Gilmar de Carvalho, pra eu entrar na próxima edição...+ rsrsrs
Boa noite, Fa´tima

Ana Maria Barros disse...

Olá! Belo post! Como é bom ver que ainda há iniciativas de se preservar a memória em nosso país! Parabéns!
Vocês, por gentileza, poderiam me enviar as fotos da Rita Angélica e da Eliete Regina? Mandem, por favor, para o e-mail anamariabarros@yahoo.com.br

Fátima Garcia disse...

Olá Ana Maria,
Mandei as fotos p/seu email, obrigada pela visita e pelos comentários no blog.

AURELIANO RAMOS disse...

Lembro muito bem das propagandas do Toinho do Romcy. Vocês têm alguma foto dele?

marina cardenas disse...

olá me chamo marina,gostaria muito de adquirir a boneca pierina...vcs me dariam alguma dica de como conseguir? obrigada!

Fátima Garcia disse...

tente os sites de vendas, marina cardenas, outro dia vi um anúncio no Mercado Livre