segunda-feira, 23 de abril de 2012

Sob o Signo da Violência

Cartão-postal da Fortaleza de N.S. da Assunção, início do século XX  (imagem Ah, Fortaleza!) 

Fortaleza é uma cidade constituída sob o signo da violência, erigida a partir do binômio da política colonial – a Fé e o Império – associação esta que redundou no posto avançado da Coroa lusitana fincado nas areias do Siará Grande, a resguardar a integridade territorial das investidas de piratas e expedições estrangeiras.
Essa cidade encarna no próprio nome sua primeira função: Fortaleza de Nossa Senhora da Assunção. A espada e a cruz, o forte militar e a santa padroeira, o canhão e a capela, o sangue do inimigo e o Sangue de Cristo. Violência que se afirma na proteção garantida pela pólvora e a hóstia, destinada a subjugar outros modos de vida e reprimir conquistadores de outras nações do Velho Mundo.


A localização da fortaleza que aglutinou uma tímida povoação nas proximidades do riacho Pajeú, representou ela própria um elemento de disputa colonialista. Inicialmente foi construída por forças holandesas, sob o comando de Matias Beck, que ocuparam as capitanias de Pernambuco e Bahia, na primeira metade do século XVII, recebendo o nome de Schoonenborch, em homenagem ao então governador flamengo de Pernambuco. 
Tendo como propósito maior a posse, ocupação e efetiva exploração econômica de zonas produtoras de açúcar no norte da colônia, os holandeses montaram praças armadas ao longo da costa para reforçar suas defesas territoriais. Sua presença nestas terras se deveu também à perspectiva de encontrar grandes minas de prata da Serra da Itarema (atual Maranguape).


Com a expulsão dos holandeses em sua segunda incursão ao Ceará (1649-1654), a construção militar originária, parcialmente destruída pelo assédio de contingentes indígenas, deu lugar à fortaleza erguida pelo reino português, cujo entorno constitui o núcleo primeiro da futura vila. A filiação ao catolicismo se faria presente com a nova denominação, evocando poder e proteção da santa padroeira, numa terra que se presumia esquecida por Deus.
Enquanto o estado português assumira, desde sua fundação no século XII, uma estrutura monárquica e centralizadora, sendo reconhecidamente um dos grandes bastiões do catolicismo no continente europeu em princípios da era moderna, os holandeses eram majoritariamente protestantes, e estavam organizados sob a forma de uma confederação republicana.  


Portanto, o conflito entre portugueses e holandeses se traduz também na filiação a diferentes expressões religiosas e formas de governo. Em contraposição ao forte Schoonenborch, os portugueses reafirmaram o poder católico com a Fortaleza de Nossa Senhora da Assunção.  O forte de N.S. d’Assunção reitera a preponderância lusitana nesta porção das Américas. Sua inscrição numa paisagem imensa e desoladora denota também as limitações do empreendimento colonial em terras longínquas. Em suas muralhas se inscreve uma obsessão de segurança, sua presença se transforma na própria salvaguarda da tímida aglomeração urbana que se delineia. 


As peças de canhão protegem a vila de investidas estrangeiras pelo mar. A tortuosa solidez do forte garante certo distanciamento das temidas incursões indígenas, notadamente os “selvagens”. Que se moviam pelos sertões da capitania.
Em fins de 1810 e primórdios de 1811, esteve na pequena vila de Fortaleza o viajante anglo-português Henry Kostner, autor do livro - Viagens ao Nordeste do Brasil – onde registra algumas de suas impressões sobre a sede da capitania do Ceará:  “A fortaleza, de onde a vila recebe a denominação, fica sobre uma colina de areia, próxima às moradas e consiste num baluarte de areia ou terra, do lado do mar, e uma paliçada, enterrada no solo, para o lado da vila, contém quatro peças de canhão, de vários calibres, apontadas para muitas direções. Notei que a peça de maior força estava voltada para a vila. A que estava montada para o mar não tinha calibre suficiente para atingir um navio no ancoradouro comum. O armazém da pólvora está noutro ponto da colina e é visto do porto”.


A menção do cronista aos canhões do forte incita uma provocação interessante, pois observa que a arma de maior calibre estava direcionada para a própria vila. Se tradicionalmente na história do Brasil, se atribui a construção de bastiões militares à defesa territorial dos ataques de invasores europeus (franceses, holandeses, ingleses, espanhóis),  no caso de Fortaleza se percebe uma preocupação maior com as ameaças que não provêm do mar, mas da terra. 
Com o canhão mais potente voltado para o interior do aglomerado urbano, as autoridades locais revelavam que o perigo maior vinha do continente, que havia um temor contínuo de ataques por parte dos indígenas. 


A proteção representada pela construção militar ultrapassa seu discutível poder de fogo, pois reitera a força do sagrado, que se traduz na capela interior ao forte, guarnecida pela imagem da Mãe de Deus. Numa terra remota e desconhecida, invocar Nossa Senhora constitui prática corrente entre os portugueses,  mobilizando os poderes divinos na salvaguarda física e espiritual dos colonizadores católicos.


fotos Rodrigo Paiva

Extraído do livro, 
Fortaleza, imagens da cidade, 
de Antônio Luiz Macedo e Silva Filho

2 comentários:

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Queridamiga


Estou de volta e maluco como sempre. Carregado de saudades de Goa e da sua excelente gente. E agoniado com o que encontro por cá: tristeza, desânimo, desgraça. E, pelos vistos, o que está para vir será pior. Amanhã é dia de homenagem aos Capitães de Abril; mas também de luto por esta enorme maldade que os criados nacionais (???) da troika nos estão a fazer. Portugal, infelizmente, é assim…

Espero por ti – como sempre.

Qjs

Fátima Garcia disse...

Olá Ferreira,
saiba que eu acompanhei suas peripécias em terras Goesas, e fiquei surpresa em saber que você tem parentes lá. E pelo vi, aproveitou enormemente o passeio. E quanto a Portugal, não só os lusos, mas toda a Europa, parece que perdeu a régua e o compasso. Uma pena!