sábado, 21 de janeiro de 2012

Projeto Vila do Mar (Avenida Costa Oeste)



Conhecido como espigão da Barra do Ceará, o Mirante Rosa dos Ventos fica no bairro Cristo Redentor, e segundo frequentadores e moradores da região, é um local inseguro. Os visitantes costumam ser surpreendidos por ladrões que surgem inesperadamente, vindos pelas pedras que circundam o equipamento. 

O braço de pedras, que entra 200 metros mar adentro, já existia, mas foi urbanizado, ganhou um mirante, e se transformou em lugar privilegiado para observação de boa parte do litoral fortalezense


Quando concluída a avenida terá  uma extensão de beira mar de 5,5 km, entre a Escola de Aprendizes Marinheiros e a Barra do Ceará e, inclui a consolidação de melhorias urbanísticas e dotação de equipamentos públicos.

Ao longo da orla, são cinco os espigões - quatro foram reformados pela Prefeitura e um construído. Segundo a coordenadora do Vila do Mar, não há planos de urbanização dos demais.


vegetação para fixação de dunas e encostas. Sem os devidos cuidados, as plantas murcharam 

A parte mais alta da avenida 

Vista do Mirante Rosa dos Ventos

Apesar de reconhecerem as melhorias, os frequentadores reclamam de assaltos no calçadão do Pirambu à Barra do Ceará
Visão panorâmica do calçadão
O belo fim de tarde sobre o Rio Ceará

O nome original era Projeto Costa Oeste e foi concebido ainda no Governo Lúcio Alcântara (2003-2007). As obras foram iniciadas em 2003 com a previsão da construção de uma avenida na orla, com 5,36 km de extensão no trecho entre a Barra do Ceará e o antigo kartódromo, no Pirambu.  Pelo projeto inicial a via teria duas pistas, canteiro central, ciclovia e calçadão.  A gestão municipal atual mudou o nome para Projeto Vila do Mar.
Produto de uma parceria entre os governos municipal, estadual e federal,  o projeto Vila do Mar  tem como principal viés a resolução do problema de habitação, do saneamento e das áreas degradadas de locais como o Pirambu, Cristo Redentor e Barra do Ceará, região oeste de Fortaleza que tem um atraso de requalificação.
O caráter social do Vila do Mar está na inclusão. Projetos intersetoriais promoverão a qualificação profissional, a valorização cultural e o empreendedorismo da população residente na área. Parcerias com as secretarias municipais de Esporte e Lazer, Direitos Humanos, Turismo e Cultura já estão em desenvolvimento para a geração de renda de artesãos, pescadores artesanais, donos e barracas de praia e outros profissionais das comunidades envolvidas.
A proposta tem como foco o resgate à população do Grande Pirambu, de uma extensão de beira mar de 5,5 km, entre a Escola de Aprendizes de Marinheiro e a Barra do Ceará e, inclui a consolidação de melhorias urbanísticas e dotação de equipamentos públicos nesta  seção da orla marítima, tais como: implantação de calçadão e via paisagística, além de nove outras vias de acesso a praia; dotação de iluminação pública, intensificação de arborização urbana que inclui replantio de coqueirais nativos. A primeira fase do projeto já foi concluída. 


fotos:
Rodrigo Paiva
Raquel Vianna
Fátima Garcia

19 comentários:

Lúcia Bezerra de Paiva disse...

Postagem EXCELENTE!
Texto PERFEITO!
Fotos LINDAS!
Nota DEZ, para a equipe de fotógrafos! A primeira foto e a última, parecem pinturas...

Um lugar tão belo, pena que é perigoso, devido aos ladrões...

Fátima Garcia disse...

Pode ser que um dia se lembrem da relevância da segurança pública. Não adianta construir belos equipamentos, se a população não puder usufruir.
abs Lúcia

Ana Luz disse...

O local tá bonito mas falta a participação do moradores para cuidar,arborizar e fiscalizar para que não depredem o lugaronde eles moram.Participação gente!

Fátima Garcia disse...

é torcer para que os moradores se conscientizem disso, né Ana Luz

marcao Pescador disse...

Na ponte iluminada(Rui Barbosa), há policiamento, e fiscalizacao de guardas municipais, será que sempre havera esse preconceito com a periferia memos assistida.
De que adiantou gastar tanto se nao há seguranca, nem mesmo para os proprios moradores,
Coisas desse Brasil, coisas do meu Ceará...

Ze Pescador disse...

FALTA O PRINCIPAL:
SEGURANÇA ARMADA E MUITO BEM ARMADA,
RONDA DO QUARTEIRAO NAO ADIANTA É FICHINHA...

Luiz Pescador disse...

Na ponte iluminada(Rui Barbosa), há policiamento, e fiscalizacao de guardas municipais, será que sempre havera esse preconceito com a periferia memos assistida.
De que adiantou gastar tanto se nao há seguranca, nem mesmo para os proprios moradores,
Coisas desse Brasil, coisas do meu Ceará...
Quem se arrisca a ver um nascer ou por do sol nesses locais esta colocando sua integridade fisica em constante perigo...

Fátima Garcia disse...

Marcão, Zé e Luiz, a falta de segurança pública não é preconceito contra ninguém especificamente, e sim uma governamental, fruto da incompetência e da falta de critérios nos gastos públicos. O Ronda do quarteirão é uma polícia de vitrine, "pra inglês ver" não combate a criminalidade nem garante a segurança de ninguém. No dia que visitamos parte da orla, da Barra do Ceará até o início do Pirambu, não encontramos um único policial, ou viatura em todo o percurso. Em compensação, encontramos a gente boa e amiga, moradoras dessas áreas, que nos ajudaram com informações e com a companhia.
abs

Ricardo Chaves disse...

As fotos estão muito bonitas, apesar de a reportagem depreciar o local quanto a insegurança, pois essa problemática não é exclusivo so do pirambu mas de toda cidade e como morador local sinto me tao seguro ou inseguro como em qualquer outra parte da cidade, até mesmo porque duas viaturas do ronda se revezam no policiamneto do calaçadão. Já sobre as fotos da vegetação, na verdade se trata de palhas de coqueiros plantadas já cortadas para evitar a erosão do areia, e nao de plantas que morreram por falta de manutenção, eu sou apartidário e reconheço oque é feito em beneficio do povo e nesse caso a melhoria para meu bairro e nossa cidade e visivel.

Ricardo Chaves disse...

As fotos estão muito bonitas, apesar de a reportagem depreciar o local quanto a insegurança, pois essa problemática não é exclusivo so do pirambu mas de toda cidade e como morador local sinto me tao seguro ou inseguro como em qualquer outra parte da cidade, até mesmo porque duas viaturas do ronda se revezam no policiamneto do calaçadão. Já sobre as fotos da vegetação, na verdade se trata de palhas de coqueiros plantadas já cortadas para evitar a erosão do areia, e nao de plantas que morreram por falta de manutenção, eu sou apartidário e reconheço oque é feito em beneficio do povo e nesse caso a melhoria para meu bairro e nossa cidade e visivel.

Ricardo Chaves disse...

As fotos estão muito bonitas, apesar de a reportagem depreciar o local quanto a insegurança, pois essa problemática não é exclusivo so do pirambu mas de toda cidade e como morador local sinto me tao seguro ou inseguro como em qualquer outra parte da cidade, até mesmo porque duas viaturas do ronda se revezam no policiamneto do calaçadão. Já sobre as fotos da vegetação, na verdade se trata de palhas de coqueiros plantadas já cortadas para evitar a erosão do areia, e nao de plantas que morreram por falta de manutenção, eu sou apartidário e reconheço oque é feito em beneficio do povo e nesse caso a melhoria para meu bairro e nossa cidade e visivel.

Fátima Garcia disse...

olá Ricardo Chaves
Nem de longe tivemos a intenção de depreciar o local, muito pelo contrário, mostramos pelas fotos como o local ficou depois de urbanizado, e ficamos surpresos com o excelente resultado do projeto Vila do Mar.(já tínhamos feito um post no local, quando as obras no trecho ainda estavam em andamento). Com relação à insegurança, não me senti insegura no calçadão (pelas fotos, dá p/ver que estivemos em vários locais ao longo do calçadão), mas fomos alertados por moradores como você, e até por crianças, que o espigão era inseguro por causa de marginais que surgem inesperadamente, vindos pelas pedras. Concordo plenamente que a insegurança pública não é privilégio de nenhum bairro, nenhuma área específica, mas da cidade inteira. Todos estamos expostos a esse tipo de risco. Mas se quisermos fazer um relato condizente com a realidade, não podemos ignorar ou deixar de incluir no post, informações que nos foram passadas por quem conhece o lugar. Ignorar um problema, não o torna invisível.
abs

made disse...

sem duvida o projeto e maravilhoso gostaria apenas d saber como vai ficar a situação d pessoas q morram na area e vivem com medo d terem q deixar suas casas...

made disse...

sem duvida o projeto e maravilhoso gostaria apenas d saber como vai ficar a situação d pessoas q morram na area e vivem com medo d terem q deixar suas casas...

Fátima Garcia disse...

Oi Made

existe uma lei, popularmente chamada de Estatuto da Cidade, que disciplina a posse de terrenos em áreas beneficiadas, determinando que o governo emita titulos de posse para quem já as ocupa. Acho que não existe mais espaço p/se aplicar o golpe da desapropriação.
abs

Carlos Gavilan disse...

Conheci a vila do mar e percebi que a autoestima dos moradores do bairro é notória e fica evidente que quando se usa o bom senso fica fácil executar os projetos e com pouco da boa vontade dos políticos e honestidade os projetos são realizados com facilidade.

Carlos Gavilan

Fátima Garcia disse...

É isso, Carlos Gavilan, são comunidades há anos esquecidas pelo poder público, que viram seu espaço ser resgatado com obras que valorizam o ser humano, a paisagem e a convivência. É tudo uma questão de vontade política.
abs

edmar oliveira junior disse...

Estimada Fátima Garcia - Você so vacilou na reportagem quando afirma como sendo verdade que faltou cuidado na vegetação fixadora de dunas e as "plantas murcharam". Não sei qual a sua formação, mas gostaria de informar que aquilo que vc chamou de vegetação, faz parte do metodo de recupaeração da faixa de praia e controle de erosão eólica. Trata-se na realidade de palhas de coqueiros cortadas em tamanho especifico e enterradas na areia ao longo da costa para servir de guia e contenção da erosão provocada pelos ventos. Conheço todo o processo e acompanho o projeto desde o inicio da sua implantação, alé de morar no Pirambu. Você pode checar as informações com especialistas da empresa que está executando o projeto de recuperação ambiental da área em questão - Empresa Geologica - ou com o Geologo GUstavo Gurgel da empresa Camargo Correa, responsável pela Gestão ambiental do projeto Vila do Mar.
Atenciosamente
Edmar Junior
membro do comite gestor do projeto Vila do Mar.

stephanie menezes disse...

Alguém aí mora no vila do mar, pra dizer q não tem segurança ou q a população não cuida e depreda. pq eu moro e não acontece nada disso q falaram. falta de informação é osso. e preconceito com quem mora na periferia tb. as pessoas mcuidam muito, muito bem mesmo e não é pq são pobres q iram depredar. pobre tb tem educação.