sexta-feira, 5 de abril de 2013

Prédios Históricos na Praça do Ferreira

Praça do Ferreira em 1908 (Arquivo Nirez)

Na primeira metade do século XIX a Praça do Ferreira era um imenso largo com uma ruela denominada Beco do Cotovelo atravessando-a de Nordeste a Sudoeste. Em 6 de dezembro de 1842, o intendente Manuel Teófilo Gaspar de Oliveira mediante lei municipal, autorizou a reforma do plano da cidade na qual incluía a reforma do largo, eliminando o Beco do Cotovelo. Quem executaria o plano seria o presidente eleito da câmara, Antônio Rodrigues Ferreira, chamado o boticário Ferreira.

Praça do Ferreira, década de 1920 (Arquivo Nirez) 

Desde o início de sua existência muitos imóveis foram construídos ao redor da praça; uns sucumbiram aos apelos da modernidade e foram demolidos, outros estão lá até hoje. Eis alguns dos sobreviventes:

Escola do Ensino Mútuo/Palacete Ceará

Prédio do Ensino Mútuo de Fortaleza, construído em 1879 (Arquivo Nirez)

Antes da construção do Palacete Ceará havia um prédio antigo construído para abrigar a Escola de Ensino Mútuo, primeira escola para meninos de Fortaleza. Na época da construção, o local era considerado subúrbio.

Palacete Ceará, atual Agência centro da Caixa Econômica Federal (foto Tarcísio Garcia)
 
Inaugurado em 1914, projeto do arquiteto João Sabóia Barbosa, construído por Eduardo Pastor, da firma Rodolfo F. da Silva e Filhos. O prédio era de propriedade do Coronel José Gentil Alves de Carvalho, banqueiro e um dos homens mais ricos da cidade.
O prédio foi ocupado pela Rotisserie Sportman, restaurante e casa de chá de Júlio Pinto, frequentado pela alta sociedade fortalezense.  O ambiente lembrava o requinte parisiense e tinha como destaque uma orquestra.
De 1922 a 1936 foi instalado o Clube Iracema, também reduto da alta sociedade.  Ainda em 1922 foi ampliado, constituindo dois blocos com 3 pavimentos e um com pavimento térreo, onde foi instalada uma  sala de bilhar. Em 1955 foi adquirido pela Caixa Econômica Federal, onde funciona até hoje a agência Centro daquele estabelecimento de crédito. 

Sobrado do Comendador Machado/Excelsior Hotel

Sobrado do Comendador Machdo, na esquina das Ruas da Palma e Municipal (Major Facundo com Guilherme Rocha), no local onde hoje está o prédio do Excelsior (foto do livro de Raimundo Girão)

No local onde hoje está o prédio do Excelsior havia o sobrado do comendador José Antônio Machado, construído em 1825, pelo engenheiro coronel Conrad Jacob de Niemeyer com o auxílio dos presos da cadeia do crime. No sobrado funcionou o antigo Hotel Central e o Café Riche. Foi vendido a Plácido de Carvalho, que o mandou demolir no ano seguinte. 

Prédio do Excelsior Hotel, atualmente sem uso definido. O Hotel encerrou as atividades em 1964 (foto do blog)

O projeto do hotel, de autor desconhecido, foi inspirado num edifício de Milão. Foi construído por Natali Rossi, irmão de Pierina Rossi, esposa de Plácido Carvalho.  A decoração interna foi feita por Pierina Rossi, utilizando material de primeira linha, importado da Europa. Em estilo eclético, foi o primeiro arranha-céu da cidade construído em alvenaria – pilares, vigas e lajes feitos com a utilização de trilhos de trem comprados da Santa Casa de Misericórdia. 

Saguão do Excelsior Hotel, decorado por Pierina Rossi (foto do blog)

Após a morte de Plácido de Carvalho, a viúva casou-se com o arquiteto Emílio Hinko em 1938. Pierina faleceu em 1957 e o Hotel passou para Emílio Hinko. O Excelsior Hotel encerrou suas atividades em 1964.

Palacete Iracema (Sobrado do Pastor)

 Casa na esquina da Guilherme Rocha com Floriano Peixoto, onde hoje está o Sobrado do Pastor (Arquivo Nirez)

No início do século XIX havia no local uma casa de arquitetura simples. Em 1826 a casa foi arrematada pelo comerciante José Antônio Machado, demolida e construído um outro imóvel, mais recuado, devido a formação da Rua da Pitombeira (atual Floriano Peixoto). Em 1847 o prédio foi reconstruído para servir de quartel do Corpo Policial. 

  Fachada do Palacete Iracema, conhecido como Sobrado do Pastor, na esquina das Ruas Guilherme Rocha e Floriano Peixoto (foto do blog)


Interior do Sobrado do Pastor, onde funciona o restaurante L"Escale

O edifício atual foi construído em 1914. O proprietário Eduardo Pastor, proveniente do Pará, investiu na obra como uma alternativa de negócio, uma vez que a borracha estava em decadência. Em estilo art-nouveau, o edifício teve ao longo dos anos vários usos, sendo ocupado por órgãos públicos e casas comerciais, perdendo parte das características arquitetônicas, principalmente na parte térrea da fachada. 

 Farmácia Oswaldo Cruz

Farmácia Oswaldo Cruz em 1952 
Fundada em 1934 de Hortêncio Mota e Cia. até 1950 pertenceu ao médico Benjamin Hortêncio de Medeiros, clínico geral, com consultório montado nos altos da farmácia, onde também atendia o Dr. Ciro Leal. Fornecia artigos farmacêuticos de ótima procedência, trabalhava com a fabricação de remédios, inclusive as pílulas de matos – como concessionária da Farmácia de Joaquim e Alencar Matos. 


Farmácia Oswaldo Cruz, um dos mais tradicionais estabelecimentos da Praça do Ferreira (fotos do blog) 
Em 1950 foi comprada pelo atual proprietário Edgar Rodrigues. Além da venda de medicamentos, produtos químicos e homeopatia, possui um ambulatório. O prédio construído em 1927 por Plácido de Carvalho é um exemplo de arquitetura eclética.

Farmácia Pasteur

 Prédio da antiga Farmácia Pasteur, hoje ocupado pela Farmácia Avenida (foto do blog)

Era uma das farmácia mais tradicionais de Fortaleza, criada em 1° de novembro de 1922. Fundada por Eduardo de Castro Bezerra, Tertuliano Viana e Sá e Raimundo Freitas Ramos. 

fonte:
Caminhando por Fortaleza
de Francisco Benedito 

2 comentários:

Monica Freire disse...

amei as noticias!!! é sempre bom saber mais sobre nosso local de origem .

Nayane Vasconcelos disse...

Os prédios são lindos, estou encantada <3