segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Gentilândia




A bela chácara dos Gentil no Benfica, hoje de propriedade da Universidade Federal do Ceará abrigando sua Reitoria, pertencera, no século XIX, ao velho Henrique Kalkmann. Talvez tenha sido ele o primeiro comerciante de origem germânica estabelecido no Ceará. Em 1866, a firma de Kalkmann era agente da Ceará (North Brazil) Water Co. Ltd., com sede na Inglaterra e concessionária da exploração do abastecimento de água de Fortaleza. Kalkmann foi vice-cônsul da Prússia no Ceará e o primeiro presidente da Associação Comercial do Ceará. Aqui nasceu seu filho, na casa que depois pertenceu ao Comendador Antônio Garcia, e mais tarde, à família Gentil.


A construção do palacete em 1818, substituindo a antiga casa de habitação da chácara, foi confiada a Luiz Gonzaga Flávio da Silva. Em torno do palacete, José Gentil construiu vilas e ruas com residências de vários tamanhos e estilos, com praças e áreas verdes, lugar que ficou conhecido como Gentilândia.  O rico morador  dono do Banco Frota e Gentil, no Centro de Fortaleza, construiu uma cidade dentro do bairro do Benfica, ainda em formação.  A maior parte da Chácara Gentil foi desmembrada durante a vida de seu proprietário,  para compor os quarteirões, as ruas e as praças do pequeno bairro da Gentilândia, implantado na década de 1930.

 Cruzamento das avenidas da Universidade com Treze de Maio - primeira metade da década de 70 
 
 Da área construída parte foi reservada para residência de diversos membros da família Gentil, e o restante foi alugado para famílias de classe média. Com o tempo, a Gentilândia tornou-se uma verdadeira cidade modelo que serviu de padrão às novas construções e vilas da cidade. O Benfica ainda conta com grande número de imóveis antigos, que remontam à criação do bairro. A delimitação da Gentilândia corresponde ao quadrilátero urbano compreendido entre as Avenidas da Universidade, Treze de Maio, Expedicionários e Eduardo Girão, mas esses limites nunca foram oficializados pela Prefeitura de Fortaleza.


Coronel José Gentil e sua mulher Maria Amélia em companhia de seus 16 filhos e 54 netos, na casa que hoje pertence à Reitoria da UFC - 1929

Nascido em Sobral em 11 de setembro de 1866, José Gentil Alves de Carvalho era filho de Antônio  Alves de Carvalho e Francisca Cândida Vitorino de Menezes. Aos 17 anos, José Gentil Alves de Carvalho, tendo perdido os pais, viu-se responsável pela família que eles deixaram e à frente de uma modesta organização comercial.  Casou-se em Sobral, em 19 de setembro de 1886, com Maria Amélia Tomé da Silva Frota (Dona Melinha). Tiveram 16 filhos que atingiram a idade adulta. Entre esses, sete filhos seguiram a carreira religiosa.
Para melhor gerenciar o negócio, transferiu-se em 1893 para Fortaleza, onde junto com outros parentes, fundou a firma Frota e Gentil.  Dedicando-se principalmente ao ramo de tecidos, a firma foi aos poucos se  ampliando com muitas representações. Inaugurou em 1917 uma seção bancária, cuja expansão conduziu ao conceituado estabelecimento de crédito, Banco Frota & Gentil.  

 Banco Frota e Gentil, instalado no centro de Fortaleza
Edificando numerosos prédios e reformando outros, tornou-se o grande urbanista de Fortaleza, principalmente após a criação do bairro da Gentilândia, no Benfica.  Com esse vultoso patrimônio fundou em 1934, a Imobiliária José Gentil  S/A, organização pioneira que se tornou a maior proprietária de prédios da capital cearense. Exerceu a presidência da Associação Comercial do Ceará durante 30 anos, e quando se afastou do cargo, tornou-se seu presidente de honra.  Embora alheio a cargos políticos, cedeu às circunstâncias e elegeu-se vice-presidente do Estado. Faleceu  em Poços de Caldas – MG, em 11 de março de 1941. 

pesquisa:
Ideal Clube, história de uma sociedade, de Vanius Meton Gadelha Vieira
Revista do Instituto do Ceará 
fotos do Arquivo Nirez e do acervo de Vanius Meton Gadelha 

5 comentários:

Ferreira Neto disse...

Adoro historia, casas e palacetes antigos.fico feliz em morar em um bairro que tem um passado que podemos repassar aos nos filhos e netos.

cmsfernando albuquerque disse...

Boa tarde, sugiro a verificação das datas e ano: Nascimento e casamento do Coronel.
Uma é muito próxima da outra e no mesmo ano.
Me chamo Fernando justiniano Galdino Filho, sou um dos amantes da história de Fortaleza.
Grato.

Fátima Garcia disse...

cmsfernando albuquerque, segundo a obra consultada, as datas estão corretas, e o coronel casou-se aos 20 anos de idade.

Fernando Albuquerque disse...

Olá Fátima Garcia, boa noite.
Voltei ao seu blog para postular minhas sinceras e constrangidas desculpas aos seus leitores e em especial à você, por no comentário anterior ter sido tão prematuro e representar uma crítica sem ao menos antes enaltecer as qualidades do belo arquivo que o seu blog apresenta.
Perdoe-me também pela incoerência da leitura anterior, confesso que não observei com atenção à ordem em que os números estão colocados.
O erro foi meu, espero que compreenda a minha negligência e não fique aborrecida pelo meu delito.
Desde já agradeço a atenção.
Tenham todos uma ótima semana.

Jose Gentil disse...

Oi, gostaria de saber mais sobre a história da família Gentil.
Queria saber se estou nesta linhagem.