domingo, 9 de fevereiro de 2014

Avenida da Universidade (Boulevard Visconde de Cauípe)


Início da Avenida década 40/50, esquina com a Rua Antônio Pompeu - Na casa em primeiro plano, à direita da foto, funciona hoje uma loja maçônica. O imóvel sofreu algumas modificações

A Avenida da Universidade – antigo Boulevard Visconde de Cauípe, em homenagem a Severiano Ribeiro da Cunha, comendador e visconde nascido em Caucaia em 1831 – já foi chamada de Rua Benfica. No Guia Turístico da Cidade de 1961, o logradouro ainda aparece como Visconde de Cauípe, tendo a mudança de nome para Avenida da Universidade, ocorrido durante a década de 60. 


Cruzamento com a Avenida 13 de Maio. O muro à direita pertence à atual casa de Cultura Alemã, anos 60
 
Na referida publicação, a Avenida Visconde de Cauípe nasce na Rua Antônio Pompeu e termina na Rua José Albano.  A partir da Rua Antônio Pompeu, a via muda de nome, passa a ser a Rua General Sampaio, embora a numeração prossiga normalmente. 
Na década de 60, o trecho que se estendia do cruzamento com a Avenida 13 de Maio até a Faculdade de Direito era chamado de República do Benfica, e concentrava grande parte das atividades e cursos do Centro de Humanidades da Universidade Federal do Ceará.  Era o centro das atividades políticas, ganhando destaque ainda maior no ano de 1968, considerado o auge do movimento estudantil no Brasil. O Clube dos Estudantes Universitários (CEU) fez história também no Ceará. Não apenas por suas concentrações políticas, mas também por suas festas. 


Cruzamento com a Avenida 13 de Maio, com o girador e a fonte das sereias. Esses equipamentos foram desativados em 1974
 
A Avenida da Universidade foi palco de passeatas históricas, sobretudo, durante o ano de 1968. As concentrações aconteciam na Praça José de Alencar, onde as lideranças falavam, seguindo para a Praça do Ferreira. Antes, uma parada também na Praça da Bandeira. No Centro, as pessoas jogavam papel picado, apoiando os estudantes que, nem sempre, eram compreendidos pela repressão política.
Os estudantes de Fortaleza foram dos primeiros do País a promoverem passeatas em protesto contra as prisões do Congresso Nacional dos Estudantes (UNE) realizado em Ibiúna, em São Paulo. 

Alguns imóveis da Avenida da Universidade


O palacete da família Gentil era um dos mais importantes referenciais de moradia em Fortaleza, construído em 1918, projeto de Luiz Gonzaga Flávio da Silva. Adquirido pela UFC, passou a abrigar a Reitoria, depois de passar por processo de ampliação quando teve seu espaço construído dobrado de volume.


O casarão de piso elevado e porão, n° 1940 da Avenida da universidade era uma das mais suntuosas residências de Fortaleza. Ali residia o advogado Adolpho de Moraes Campello e sua mulher Dona Francisca Nepomuceno de Castelo Branco Campello. Era conhecida como a "casa das listas vermelhas" e a fachada era porcelanizada com uma argamassa obtida da mistura com clara de ovos. Depois que os proprietários se mudaram, funcionou no local o Ginásio Fortaleza. Atualmente pertence ao Instituto de Previdência do Município.

foto do Blog do Zebrinha

Inaugurado em 1991, o Teatro Chico Anysio completou 20 anos de puro humor em dezembro de 2011. Localizado na Avenida da Universidade, no Corredor Cultural do Benfica, em Fortaleza, Ceará, o TCA foi palco de grandes festivais de humor. Hoje, reformado, climatizado e com capacidade para 140 pessoas continua tendo o humor como sua principal atração.


Funcionando desde 1971, a Casa Amarela Eusélio Oliveira é o núcleo de cinema e animação e fotografia da Universidade Federal do Ceará. O nome é em homenagem ao cineasta Eusélio Oliveira, professor e fundador da Casa Amarela, covardemente assassinado aos 58 anos de idade. O crime foi em 1991.


Logo no início da Avenida da Universidade, no número 1896, localiza-se o antigo solar da família Manços Valente, cujo titular era figura das mais conhecidas na cidade. Negociado pelos herdeiros, o solar passou a abrigar a Casa Santa Rosa de Viterbo. A fachada do casarão foi preservada, mas a capela foi descaracterizada. 

   fotos do Arquivo Nirez, O Povo e acervo do Blog
pesquisa:
Guia Turístico da Cidade - Prefeitura Municipal de Fortaleza - 1961
Mansões Palacetes, Solares e Bangalôs de Fortaleza, de Marciano Lopes
Jornal Diário do Nordeste

2 comentários:

radialistaassislima@hotmail.com disse...

Excelente pesquisa. Que bom se todos tivessem a sensibilidade de colaborar com blogs e site correlatos, para que se eternize a memória de nossa Loura do Sol e Branca dos Luares. Parabens.

Fátima Garcia disse...

seria mesmo muito bom, Assis Lima, as vezes recebo algumas colaborações e são sempre muito bem vindas.
abs