segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Escola de Música do Ancuri


A casa foi construída pelo padre Wilson Fernandes em terreno da Prefeitura de Itaitinga, para servir como forte referência da Escola de Música do Ancuri, fundada em 1982 (foto Nirez)

Localizada na “faixa de gaza” entre os municípios de Fortaleza e Itaitinga, a Escola de Musicado Ancuri foi criada pelo Frei Wilson Fernandes da Silva, que idealizou a escola para incentivar os jovens de comunidades carentes e oferecer a oportunidade para o aprendizado do manejo de instrumentos musicais e de regência. 
Instalada num castelo em estilo bávaro,  construído em 1989, com três pavimentos, a escola começou com apenas 6 alunos que aprendiam a tocar flauta.  Depois a escola foi crescendo e acolhendo outros alunos, com outras aspirações.
A Escola de Música já foi referência na formação de crianças e jovens instrumentistas e já abrigou simultaneamente 260 alunos. Mas desde o primeiro semestre de 2005, as atividades, incluindo a orquestra sinfônica, foram  paralisadas por falta de verbas. Hoje, as portas do casarão de três andares estão fechadas.  O fechamento da Escola de Música repercutiu no imóvel, que por falta de manutenção, apresenta sinais de degradação no seu interior. 


Em razão do estado de degradação do imóvel, a Prefeitura de Itaitinga não descarta a demolição do local, que se restringiu às paredes. Por dentro, o imóvel é oco, com compartimentos estreitos e incompatível para o funcionamento de uma unidade de ensino para músicos.

Bonito por fora e vazio por dentro, o castelo já cedeu parte de seus compartimentos para o funcionamento de um depósito de material de construção. As paredes perderam o reboco e deixam visível a alvenaria. O portão principal está sempre aberto, o que favorece a entrada de pessoas no terreno, onde também há um pequeno pomar com frutas regionais.  
Na parte interna, há um mural retratando a Jerusalém bíblica. Esse é um dos poucos ornamentos que ainda restou, apesar do abandono. Já as salas de aula deram lugar a outras alternativas de subsistência.
A escola foi desativada após não ter o convênio renovado com a Prefeitura de Fortaleza, mas o sonho tanto dos alunos, quanto do idealizador e dos moradores do bairro do Ancuri, é ver a escola funcionando novamente. 


O bairro do Ancuri no limite entre Fortaleza e Itaitinga, fica entre os bairros Pedras, Paupina, Messejana e Jangurussu, com cerca de 14 mil moradores.  Detentor de extensa área verde mantida por um conglomerado de sítios, o bairro conta com uma baixa densidade populacional e preserva a arborização, especialmente de mangueiras e cajueiros. A distância para o Centro é estimada em oito quilômetros. O bairro possui poucas ruas pavimentadas, prevalece o uso de piçarras e as ruas se assemelham a becos. Outra dificuldade de infraestrutura é a falta de calçadas, o que obriga os pedestres a trafegarem pelas vias de rolamento, inclusive por onde passam os ônibus.

fonte:
Jornal Diário do Nordeste

13 comentários:

Anônimo disse...

que bom que vc postaram essa materia sobre a escola do ancuri, projeto esse que foi esquecido pela prefeitura, e nao somente a escola e sim o bairro inteiro, que só é lembrado na epoca da politica!

Anônimo disse...

Eu e meus irmãos estudamos nessa escola.muito bom.sinto falta.

Fátima Garcia disse...

espaços como esse da escola de música do Ancuri jamais deveriam estar fechados, isso só ocorre porque insistimos em eleger gestores incompetentes.
abs

C Zedi Machado disse...

A escola em si já faz muita falta. Mas, o que dói mesmo é o abandono deste lindo imóvel.

carlos.zedi@uol.com.br

Fátima Garcia disse...

e assim cumprimos a nossa tradição de cidade sem memória, Carlos Zedi.
uma lástima.
abs

Anônimo disse...

Fátima, esse imóvel ainda está de pé ? Sabes em que condições ?
Gostaria de ir lá fotografar, mas todos dizem que o lugar é extremamente perigoso, reduto de marginais e traficantes....

abs.
C Zedi

Fátima Garcia disse...

Olá Carlos Zedi
fizemos umas fotos em dezembro, a casa está bastante danificada, sem portas e janelas e totalmente desmontada no seu interior.O lugar é deserto e cercado de mato, só tem umas casas na rua lateral. Fizemos umas fotos por dentro, mas o fotógrafo não explorou o ambiente todo nem foi ao andar superior porque havia pessoas discutindo em voz alta lá por dentro, dizem que vive invadido por usuários de drogas. resumo: o lugar é perigoso e o imóvel está de pé, mas em péssimo estado.

C Zedi Machado disse...

Obrigado, Fátima.
Já passei momentos difíceis quando fui fotografar os fundos da Estação João Felipe. Caindo aos pedaços, o "quintal" da Estação é uma cracolândia. Lá é a entrada do encrave de favela chamado OITÃO PRETO, lugar perigoso e, logo ao chegar fui ameaçado por um travesti.Infelizmente, moramos numa cidade perigosa e fotografar em alguns locais é muito arriscado.
Abs, Fátima
Paz e Luz !!!

Fátima Garcia disse...

Carlos Zedi, por coincidência já pensamos em fotografar ali (eu e meu fotógrafo) e fomos desaconselhados por um PM que estava na Praça da Estação: disse que os fundos da estação era um portal para o inferno. Pode isso? e porque não desmontam o portal?!!!
abs.

Francisco Antonio disse...

E triste acabar assim, acho que passei 5 anos na EMA..Escola de Musica do Ancuri..

FRANKLIN QS disse...

Porque o nome ancuri?

Anônimo disse...

+Franklin Ancuri é um bairro de Fortaleza. que fica a 10km de Messejana. e a escola de música sempre foi perseguida pelos políticos de Itaitinga. quem vendeu este terreno para o Padre, foi a família da atual vice-prefeita de Itaitinga, e candidata a prefeita. seu esposo, junto com o seu sogro, venderam um terreno, com uma rua e uma praça, sem o padre saber. Em 2010/2011, o ex-prefeito de Itaitinga, o Dr. Abdias, para fazer confusão, expulsou o padre desse terreno, e fez uma praça onde ficava o pátio da escola. e desde esse tempo a escola ficou desativada! Eu morava no Ancuri na época desta escola. sai do ceará faz uns anos. e hoje vejo com muita tristeza esse abandono.

Angelica Costa disse...

Olá Fátima!Me chamo Angélica Costa e sou Agente de Endemias do município de Itaitinga.Me chamou a atenção o Castelo e recentemente fizemos uma vistoria no local.Fiquei chocada ao perceber que tamanha estrutura está abandonada.Embora a sujeira domine o completamente o interior do Castelo, o ambiente, ainda se pode-se ver beleza e encanto em sua desgastada arquitetura.Me veio então a ideia de fotografar o interior e também a parte externa.Minha curiosidade sobre a história do Castelo me trouxe até seu blog!Se você se interessar posso te enviar as fotos.Uma pergunta fica martelado na minha mente:A quem recorrer na intenção de salvar o Castelo?