terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Bairro Jardim América


 Praça do Jardim América, inaugurada em 1932


Em geral, os bairros surgem espontaneamente, com as aglomerações urbanas ocupando seus espaços. Um momento significativo nesses lugares é a chegada da urbanização com a construção das calçadas, iluminação, saneamento e o surgimento posterior de equipamentos de lazer, como praças, quadras e áreas de convivência. 

Prédio do antigo matadouro Modelo, inaugurado em 18 de julho de 1926, para onde  passaram os serviços de abate dos animais para o abastecimento da cidade, ocupando vasta área e dispondo de modernos equipamentos Ficava situado na esquina da atual Rua Jorge Dumar com a também atual Avenida Borges de Melo. No local onde encontra-se hoje instalado o Colégio Paulo VI. (foto Arquivo Nirez)


No Jardim América, foi o contrário. O espaço resultou de um plano para aumentar a demanda por áreas residenciais em Fortaleza. Primeiro, surgiu a Praça Presidente Roosevelt, em homenagem ao ex-presidente dos Estados Unidos, e daí surgiu o primeiro nome do bairro: Jardim das Américas, depois resumido para Jardim América. O ano da inauguração da praça foi 1932 e, hoje, como a mais importante referência do lugar, teve parte de sua área incorporada pelo bairro vizinho, Damas.


Em determinada época, o bairro chegou a ser chamado de bairro Laguna, denominação decorrente do fato de estar sempre alagado por conta dos escoadouros das lagoas, que depois foram destinados a um extenso canal. Ali, chegavam as águas das lagoas da Parangaba e do Bessa (localizada no bairro do Rodolfo Teófilo) e também as do Tauape, que foi aterrada.


 O Canal do Jardim América foi construído na década de 50 para evitar o alagamento de áreas do bairro

O planejamento que deu origem ao bairro resultou num processo crescente de combate às áreas alagadas, que foram solucionadas com a construção do canal - que hoje corta a região - na década de 1950.

O canal evita inundações, mas precisa ser limpo periodicamente, em razão da proximidade das residências

O Jardim América limita-se ao Norte com a Avenida Eduardo Girão (Avenida do Canal), a Leste com a Avenida dos Expedicionários, ao Sul com as Ruas Samuel Uchoa e André Chaves e a Oeste com a Rua Rodolfo Teófilo.
População: 12.264 moradores, sendo 6.809 mulheres e 5.455 homens. (IBGE 2010)

 
O Bairro está situado entre o Montese, Benfica, Damas, Bom Futuro e Rodolfo Teófilo. Possui como principais pontos de referência a Caixa d'água, o Colégio Paulo VI, o Ministério da Agricultura, o canal e a pracinha do Jardim América. Nesse bairro localiza-se a Comunidade da Brasília.  



A Comunidade Brasília é a única área carente, identificada como favela, composta de inúmeros becos e vielas, que reúnem cerca de 300 famílias, a maioria de baixa renda.  A comunidade foi formada, segundo dizem, pelos trabalhadores do antigo matadouro público.  

O Jardim América foi "invadido" em seu território e muitas ruas deixaram de pertencer ao bairro. Hoje, estão no mapa como áreas pertencentes aos bairros Damas e Montese. Foram suprimidas as ruas Professor Costa Mendes, Carlos Câmara, João Sorongo, Major Weyne, Álvaro Martins e parte da Avenida João Pessoa.
A Igreja de Nossa Senhora de Nazaré, mantida pelos padres da Sagrada Família de Nazaré, é o maior templo católico do bairro. No entanto, há quem defenda que a edificação está em território do bairro do Montese, o que é contestado pelos moradores do Jardim América

 Capela do Colégio Juvenal de Carvalho em 1931. O colégio e a capela já não constam como equipamentos localizados no Jardim América, e sim no bairro Damas. (foto Arquivo Nirez)

O Colégio Juvenal de Carvalho, mantido pela ordem das Salesianas, também possui uma igreja, mas ambos os equipamentos não constam mais como pertencentes ao Jardim América. Moradores lutam pela restituição desses equipamentos para o bairro.
A restituição de territórios, o incremento da economia local e a recuperação da praça para a melhoria da qualidade de vida dos moradores estão hoje na pauta de discussões e lutas da Associação de Moradores e Amigos do Jardim América e Bairros Vizinhos (AAJA).
Outra carência é a falta de equipamentos de lazer. A principal praça se encontra em estado precário. 

fonte:
IBGE - censo 2010
Jornal Diário do Nordeste 
fotos: Rodrigo Paiva - novembro 2012
 

2 comentários:

Jeane Maia disse...

Parabéns pelo trabalho realizado.

Jeane Maia disse...

Parabéns pelo trabalho realizado em valorização ao seu bairro.