segunda-feira, 26 de julho de 2010

Patrimônio edificado: O Palacete Carvalho Mota






Localizado na zona central da cidade de Fortaleza, o Palacete Carvalho Motta foi construído em 1907 para servir de residência para a família do Coronel Antonio Frederico de Carvalho Motta. A edificação em questão inscreve-se no elenco de obras do chamado Ecletismo Arquitetônico.

Em 1909 o solar foi alugado à Inspetoria de Obras Contra as Secas – IOCS, à qual seria vendido em 1915. Reformado e ampliado por volta de 1930, foram mantidos os seus traços gerais de forma a não transparecer as alterações a que foi submetido

Erguido em gleba contígua ao centro urbano, voltava-se para uma rua valorizada pela passagem de uma linha de bondes à tração animal que demandava o arrabalde do Benfica. Distava apenas um quarteirão da Praça Marques do Herval.

O palacete reproduz o padrão das chamadas casas de “porão alto”, erguidas ainda no alinhamento das ruas, inspirado em modelos nacionais de procedência sulina, já bem antigos no Rio de Janeiro e um tanto posteriores em São Paulo, ficando inserido, na primeira fase daquele ciclo de transformações da casa senhorial brasileira, observado a partir de meados do Segundo Império.

As suas características arquitetônicas aliadas ao seu valor histórico como primeira sede da Inspetoria de Secas motivou o seu tombamento em 19 de maio de 1983,pelo IPHAN.

Ao longo dos anos o solar abrigou as instalações da IOCS, posteriormente DNOCS, vindo a ser desocupada, apenas, ao final da década de 70 com a construção da nova sede da Diretoria Regional do Ceará.

Em 1983, o imóvel foi restaurado com base em projeto elaborado pelo IPHAN, tendo por objetivo a instalação do Museu das Secas, o qual abrigaria o acervo da instituição.

Sem a devida manutenção as instalações do denominado Museu das Secas que viria a ocupar uma área relativamente pequena do prédio, terminaria por não ter condições de atender ao público que buscava visitá-lo.

Com uma área construída total de 1.344,20 m², o Palacete Carvalho Mota fica localizado na Rua Pedro Pereira 683, esquina com a Rua General Sampaio, Centro de Fortaleza.
Uma placa afixada na fachada informa que o imóvel passa por processo de restauração, sob a responsabilidade do IPHAN. Mas a ausência de movimentação de trabalhadores, as paredes externas com pichações e falta de previsão para o término da obra, são indícios de que a restauração encontra-se paralisada.

Fonte: www.ana.gov.br/aguaecultura/anexos/dnocs.doc

2 comentários:

Lúcia disse...

É tão bom saber que o "governo" vai salvar um patrimônio edificado.
Não sabia que esse prédio "inscreve-se no elenco de obras do chamado Ecletismo Arquitetônico", só sei dizer que acho muito bonito e aplaudo o IPHAN!

APLAUSO, VIVA e BRAVO tmb. à Fátima que nos oferta essas alentadoras informações sobre nossa amada Fortaleza!

Aplauso tmb. ao excelente fotógrafo da equipe da Fátima Garcia, o Sr. Rodrigo Aboim!

Beijos!

Lúcia disse...

Voltei para corrigir o nome do FOTÓGRAFO, que grifei errado.
Leia-se Alboim no lugar de Aboim.