terça-feira, 8 de junho de 2010

Os Bondes de Burros na cena da Fortaleza antiga

Foto: Arquivo NIREZ (reprodução)
Os primeiros bondes puxados por burros surgiram em Fortaleza no dia 25 de abril de 1880, num empreendimento de propriedade do Cel. Tomé A. de Mota, denominada Companhia Ferro Carril do Ceará.
No inicio eram 25 bondes, cada um com capacidade para conduzir 25 passageiros, distribuídos em cinco bancos. Eram veiculos pequenos, modestos, adornados com cortinas que protegiam os passageiros do sol e da chuva.
Dirigidos por um boleeiro, e puxados por dois burros, trafegavam quase o dia inteiro, das 6 da manhã às 9 da noite. Partiam da Praça do Ferreira para todas as linhas. O último deixava a praça ao tocar a corneta nos quartéis anunciando o recolher, sendo que o do Alagadiço saía às 8 horas.
Naquela época Fortaleza “dormia com as galinhas”, e o direito de locomoção sofria restrições: a polícia não permitia trânsito de pessoas depois das 9 horas da noite. Nessa hora tocava o recolher no quartel do corpo fixo, e o som da corneta era ouvido nos pontos mais afastados da então pequena cidade.
Os burros tinham um comportamento peculiar: acostumados ao trabalho diário, só faziam força quando emparelhados com o companheiro de todos os dias, caso contrário era inútil chicoteá-los. Quando acontecia, às vezes, um choque desastrado de dois bondes, os burros fugiam em parelhas, evitando assim serem esmagados entre os veículos.
Na Rua da Praia, (atual Avenida Alberto Nepomuceno), além dos dois burros havia um terceiro, chamado “Sóta”, que ajudava na subida da ladeira existente a partir da esquina do edifício da Escola de Aprendizes Marinheiros (hoje Secretaria da Fazenda), até em frente à Igreja da Sé.
Abrigado à sombra de uma árvore, o Sóta aguardava os companheiros, a que se juntava espontaneamente, depois voltava sozinho, da Sé para o seu primitivo local debaixo da árvore, durante duas horas por dia. Findas as quatro viagens recolhia-se também sozinho à estação onde os animais ficavam abrigados, cruzando no caminho, com o companheiro que o ia substituir.
A estação de bondes ficava no fim da linha, no prédio onde hoje é a Coelce, na Rua Dr. João Moreira. Mas, como o piso era calçado com paralelepípedos irregulares, os burros dormiam na Academia do Solon, que era um prédio pertencente ao diretor da companhia de bondes. Lá o piso era de areia e os animais ficavam mais acomodados.
Naquela época quando alguém queria dizer que o outro era ignorante em algum assunto, dizia: “parece que foi educado na academia do Solon” A expressão era pejorativa: Academia do Solon porque só tinha burros.
Os bondes de burros funcionaram até 1913, quando foram substituídos pelos bondes elétricos
Curiosidades:
No bonde em que viajava, às vezes, o intendente municipal era expressamente proibido a qualquer passageiro apresentar-se sem meias, mesmo que estivesse de chinelos, ou sem sapatos.
Quando o Governador se demorava além das 9 horas, ficava na Praça um bonde especial, aguardando-o para conduzi-lo à sua residência, a hora que a autoridade desejasse.

Fontes de Pesquisa:
GIRÃO, Raimundo. Fortaleza e a Crônica Histórica. Fortaleza: UFC – Casa José de Alencar, 1997.
MAIA, José Barros. Lembrar é Viver de Novo. In _____Roteiro Sentimental de Fortaleza. Fortaleza: UFC-NUDOC/SECULT-CE, 1996.
MENEZES, Raimundo de. Coisas que o Tempo Levou: crônicas históricas da Fortaleza antiga. Fortaleza: Edições Demócrito Rocha, 2000.

2 comentários:

Carlos, Carlinhos, Getúlio disse...

Olá Fátima, tudo bem?
Curioso sim essa "industria dos burros" ^^
Mas tou passando pra outra coisa:
domingo, criei a versão em espanhol do meu blogue, o Frido, e hoje criei a versão em inglês. Gostaria q tu visse porque nas três versões, falo sobre seu brilhante trabalho no Fortaleza em Fotos e Fatos, e , ao postar um artigo sobre identidade e preservação histórica, citei teu nome e teu trabalho aqui^^. os endereços são fridoenespanol.blogspot.com e fridoinenglish.blogspot.com

abraços, e mais uma vez, congratulações

Fátima Garcia disse...

Oi Carlinhos, dei uma olhada nas postagens e achei bem legal, a vantagem do blog em três idiomas é que vc alcança um publico enorme.
parabens