segunda-feira, 27 de abril de 2015

Beira-Mar a Avenida que mudou a cidade




Enquanto a cidade via o centro de Fortaleza se esvaziando com a ausência de novos investimentos e empreendimentos, e a fuga dos equipamentos existentes ocorria, quase que simultaneamente, a valorização da orla marítima, desprezada durante décadas como local de moradia e lazer. 



A ocupação da orla começou pela Praia de Iracema, a partir do final da década de 20, com a abertura de um sistema de avenidas em 1927, ligando o centro à Praia de Iracema (chamada de Praia do Peixe até 1925). Foi um prenúncio da emergência dos anos 30 em diante  da região leste,  enquanto área residencial nobre e como lugar de uma nova fonte de lazer: o banho de mar. O movimento nesse sentido foi iniciado com a construção da bela mansão de veraneio, a Vila Morena, em 1928.  A seguir vieram outros bangalôs, além de bares e clubes praianos.



Em 1950, o Náutico Atlético Cearense trocou sua minúscula sede da Praia Formosa pela monumental sede da Praia do Meireles. Ocupando uma área considerável, numa região ainda pouco valorizada, à beira mar – mas com a frente voltada para a avenida, portanto, de costas para o mar – o Náutico sentia orgulho de seu palácio alviverde, e os abriam seus salões para os visitantes de todos os lugares do Brasil e até do exterior. 

Mas a descoberta do potencial turístico e comercial da região do Meireles ainda demorou algum tempo. Até o início da década de 1960, a única edificação relevante na área, era o Náutico. No mais, era um local de veraneio, com muita vegetação, algumas casas de pescadores e vários estabelecimentos que exploravam a prostituição.
   
A construção da avenida, iniciada em 1961 no Governo do prefeito Manuel Cordeiro Neto (1959-1963), de imediato, expulsou a zona de prostituição para a área do farol do Mucuripe e os pescadores para o alto das dunas e para a Varjota, onde fora construída a Vila dos Estivadores, em 1945.

A abertura da via, que objetivava ligar o centro ao Porto do Mucuripe,  intensificou a ocupação e integrou a orla marítima à malha urbana da cidade. A valorização da praia passa a ser percebida inclusive em termos financeiros, além de se tornar um espaço de lazer para a população. A especulação imobiliária logo descobriu a Avenida Beira Mar. 

A partir dos anos 1970, o local transformou-se na principal zona de lazer e o local mais procurado para a instalação de negócios ligados ao turismo e ao entretenimento.
Nas décadas de 1980 e 1990 os restaurantes cedem lugar aos hotéis e edifícios residenciais de alto luxo. Durante o dia a praia passou a ser frequentada pela população de baixa renda, e o calçadão por copistas e turistas.  

Além dos hotéis, bares, restaurantes, lanchonetes e barracas, a Beira Mar conta uma grande diversidade de usos ao longo de seus 3 quilômetros de extensão,  com equipamentos como o Jardim Japonês, inaugurado em 2011 em homenagem a passagem do centenário da imigração japonesa no Brasil, espigões urbanizados, que contém o avanço do mar sobre o calçadão, além de servirem como local de lazer e contemplação, e a Feira de Artesanato, que conta com mais de 600 boxes. 

A Avenida também ganhou uma associação de amigos, que se reúnem para fazer exercício, bater papo na Praça dos Estressados, local que conta com bancos e equipamentos de ginásticas. Dentre diversas outras opções de diversão e lazer, podem ser encontrados quiosques de estabelecimentos bancários, trenzinho da alegria para as crianças, e uma variada oferta de serviços de passeios turísticos e shows de humoristas locais. 
 
A Avenida Beira Mar começa na Praia de Iracema, na Rua dos Ararius e termina na confluência com a Avenida da Abolição, no Mucuripe. A orla da Beira-Mar no trecho Praia do Meireles, é  metro quadrado mais caro da cidade, e a especulação imobiliária torna-se cada vez mais forte na determinação da ocupação da cidade em geral e da orla em particular.



Atualmente a Beira-Mar passa por uma nova reforma, uma obra de requalificação orçada em R$ 232 milhões, dos quais R$ 187 milhões estavam assegurados pelos ministérios do Turismo e da Infraestrutura. Iniciada em março de 2013, tinha previsão de entrega em 2015. O projeto prevê a reforma do Mercado de Peixes, um novo espigão localizado em frente ao clube Náutico, um aterro hidráulico, entre as avenidas Rui Barbosa e Desembargador Moreira, pavimentação das vias de tráfego de veículos, estacionamentos, passeios, novos quiosques, sanitários e embarcadouros, além de tratamento paisagístico, requalificação da feira de artesanato e da área de manutenção das jangadas. O passeio terá também ciclovia, pista de cooper e quadras de esporte na areia. 

Tudo está atrasado. O novo Mercado de Peixes, que seria o primeiro a ser concluído, em até 30 dias após o início da obra, até hoje não foi feito, nem tem mais previsão de data. Com relação aos demais itens, a maioria sequer foi iniciado, e os que estão em andamento, como o espigão, também não tem prazo definido para conclusão, em razão, segundo dizem, da falta de repasse das verbas pelo governo federal. 

fotos do arquivo Nirez

6 comentários:

André Veipes disse...

Fico emocionado com a História dessa cidade!!!

André Veipes disse...

Sensacional! Seguindo o blog, quero conhecer cada ponto da História da Capital Alencarina!

Dayanne Oliveira disse...

Nooossa! Lembrei da minha infância. Muito bom relembrar, história linda.

Isa Belly disse...

Ah Fortaleza linda e amada.

Anônimo disse...

estive em Fortaleza,e fiquei muito triste em ver o centenário e histórico farol do mucuripe em completo estado de abandono....peço as autoridades do estado,q faça alguma coisa para salvar este marco histórico cearense!!!.....

Anônimo disse...

Muito lindo em vê as fotos antigas de Fortaleza