sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

Parque Parreão


Localização: Entre Av. Borges de Melo e Av. Eduardo Girão 
Bairro: Fátima 
Área: 31.582 m2
Criação: Decreto Nº 8890 de 25/08/1992 - Declaração de Utilidade Pública para desapropriação e denominação.
Jurisdição da Secretaria Executiva Regional IV (SER IV)   

Vista do Parque a partir da Avenida Eduardo Girão

Uma aprazível área verde, localizada no Bairro de Fátima, entre as Avenidas Borges de Melo e Eduardo Girão, ao lado do Terminal Rodoviário, com 3,5 hectares de extensão, o Parque Parreão tem tudo para ser um desses oásis urbanos, cada vez mais raros na nossa cidade de Fortaleza: sombra, vegetação exuberante, um regato, uma pista para caminhada. Tem tudo para ser, mas não é. 




A proposta de criação de um parque urbano naquela área desocupada ao lado da Rodoviária, incluía a oferta de equipamentos de diversão e lazer como um anfiteatro, um coreto, para apresentações musicais e artísticas e parque infantil. Tudo está sucateado. O coreto abriga moradores de rua e  serve para esconderijo de marginais. 

Abandonado pelo poder público que já há alguns anos não faz qualquer manutenção ou reparo na área, o Parreão é o retrato do descaso. Bancos e luminárias quebradas, pisos arrancados, lixo acumulado, e pior, já não há mais pontes de acesso  por dentro do parque. A última construção de passagem sobre o canal foi desativada há algum tempo porque estava com rachaduras e não oferecia segurança para os pedestres. 
Atualmente a travessia é feita por meio de passagens improvisadas com tábuas de madeiras, sem nenhuma segurança,  colocadas pelos poucos frequentadores.  São incontáveis os casos de quedas, acidentes, assaltos e usuários de drogas na região.

 a população contribui para piorar a situação do Parque Parreão, com lixo, entulhos, falta de educação e de cidadania. 


 O Riacho Parreão que corre em toda a extensão do parque está contaminado por esgotos e exala um odor insuportável
 

A travessia sobre o riacho era feita sobre pontes de madeira, que já não ofereciam muita segurança por não contar com corrimões. Sem as pontes, as pessoas que necessitam fazer a travessia recorrem a uma perigosa manobra sobre uma linha de madeira, instalada de um ponto a outro na parte baixa do canal.


Apesar do cartaz de advertência sobre maus tratos e abandono de animais, é comum o abandono de gatos e cachorros na área do Parreão. Os cães sempre encontram que os adotem, já os gatinhos estão por toda parte. Mais um exemplo do comportamento irresponsável de determinada parcela da população.  

Diante da grotesca situação do parque Parreão, resta à população continuar cobrando do poder público municipal, uma intervenção eficaz e urgente, de modo que o espaço se torne novamente utilizável, e dos frequentadores/moradores do entorno, uma melhor conscientização do uso do espaço público. Vale lembrar que despejar lixo, restos de móveis em áreas públicas ou ainda, abandonar animais  à própria sorte, são atos que servem como indicativo do grau de incivilidade e de primitivismo de quem os comete.      

fotos de Rodrigo Paiva
de dezembro de 2012

4 comentários:

Anônimo disse...

A restauração e melhorias estão sendo concluídas pela Regional 4 - SRIV - da Prefeitura, neste mês de Setembro/2014.

Fátima Garcia disse...

estamos acompanhando as reformas, mas ainda faltam muitos itens.
abs

Dominik Fontes disse...

A ASSOPPRI - Associação Parque Parreão I foi criada há pouco mais de um mês e assumiu a missão de zelar pela dinamização, manutenção e preservação do local. Iniciamos a identificação das árvores e em breve pretendemos catalogá-las e realizar uma visitação guiada. Não podemos deixar que essa realidade de abandono volte ao Parreão I. Junte-se a nós nessa missão!! www.facebook.com/assoppri

Fátima Garcia disse...

bela iniciativa Dominik Fontes, temos que nos apropriar dos espaços públicos, senão eles ficam abandonados e acabam ocupado por marginais