sábado, 5 de novembro de 2016

José Gentil, Banqueiro e Coronel

Nascido em Sobral em 11 de setembro de 1866, José Gentil Alves de Carvalho era filho de Antônio Alves de Carvalho e Francisca Cândida Vitorino de Menezes. Aos 17 anos, tendo perdido os pais, viu-se responsável pela família que eles deixaram e à frente de uma modesta organização comercial.  Para melhor gerenciar o negócio, transferiu-se para Fortaleza em 1893, onde junto com outros parentes, fundou a firma Frota e Gentil.  Dedicando-se principalmente ao ramo de tecidos, a firma foi aos poucos se ampliando com muitas representações.

Casal José Gentil - D. Melinha com seus 15 filhos em frente a casa antiga da chácara, que foi demolida e substituída pelo palacete que atualmente abriga a Reitoria da UFC. 1909.

Inaugurou em 1917 uma seção bancária, cuja expansão conduziu ao conceituado estabelecimento de crédito, Banco Frota e Gentil.  Casou-se no dia 19 de setembro de 1886, com Maria Amélia Tomé da Silva Frota – D. Melinha, também de Sobral, com quem teve 15 filhos, dos quais um ordenou-se padre, seis moças foram ser freiras, uma permaneceu solteira e sete casaram e lhe deram 69 netos. 


A história de José Gentil se confunde com a do bairro do Benfica. O coronel José Gentil adquiriu em 1909, um grande terreno de uma chácara no Benfica, em que havia uma casa modesta, antiga, que já fora propriedade de dois estrangeiros. Contratou junto a um arquiteto cearense, o projeto de uma nova residência, mais ampla, mais moderna. O imóvel foi concluído em 1918. 

O rico morador construiu uma pequena cidade dentro do bairro em formação. A maior parte da chácara de José Gentil foi desmembrada durante a vida do proprietário, para compor os quarteirões, as ruas e praças do bairro Gentilândia, implantado na década de 1930.

Bodas de ouro do casal José gentil/D. Melinha - com os filhos em 1936
 
Edificando numerosos prédios e reformando outros, tornou-se o grande urbanista de Fortaleza, principalmente após a criação do bairro da Gentilândia. Com esse vultoso patrimônio fundou em 1934, a Imobiliária José Gentil S/A, organização pioneira que se tornou a maior proprietária de prédios da capital cearense. Exerceu a presidência da Associação Comercial do Ceará durante 30 anos, e quando se afastou do cargo, tornou-se seu presidente de honra.  Embora alheio a cargos políticos, cedeu às circunstâncias e elegeu-se vice-presidente do Estado nas eleições de 1919.

Filhos, netos e bisnetos de José Gentil em frente à residência da família em 1953

José Gentil faleceu em 11 de março de 1941, na cidade de Poços de Caldas, onde se encontrava em temporada de estação de águas. Seu corpo foi trasladado para Fortaleza acompanhado pelo padre José da Frota Gentil, em avião Loocked tendo chegado no dia 13 de março.

O palacete no Benfica foi vendido pelos herdeiros e adquirido pela UFC na metade dos anos 50, quando a Universidade se encontrava em fase de instalação. Hoje abriga a Reitoria.
 
O enterro foi ocasião de grande consagração popular, com o caixão sendo transportado praticamente nos braços de seus admiradores e acompanhado por tão grande número de automóveis, que o cortejo já chegara ao São João Batista antes do último carro sair do Benfica. O Jornal Correio do Ceará do dia seguinte informou que foram 213 automóveis e mais 4 ônibus que constituíram o cortejo fúnebre. 

pesquisa: 
O Benfica de ontem e de hoje, de Francisco de Andrade Barroso
Ideal Clube - história de uma sociedade, de Vanius Meton Gadelha Vieira
Revista do Instituto do Ceará
fotos do livro Ideal Clube e Arquivo Nirez  
 

6 comentários:

Gabriel Bonfim disse...

Moro no bairro e sou curioso para saber quem foi Padre João Wassen, que o nome dado a rua aonde moro.

Fátima Garcia disse...

Gabriel Bonfim, o padre João Vaessen era holandês radicado no Brasil e ordenou-se em Fortaleza no Seminário da Prainha. Prestou serviços durante longos anos na Igreja dos Remédios e nas suas obras sociais, como a Casa da Mãe Solteira e a antiga Escola São Vicente de Paulo, que funcionava em área da igreja. Faleceu em fevereiro de 1952, na Casa das Missões, que também pertencia a Igreja dos Remédios. Era irmão de outro padre, o Guilherme Vaessen, que foi vigário da mesma Igreja nas décadas de 1930 e 1940.

ANTONIO SHIRLEY SILVA disse...

Jose´Gentil tinha que ser mesmo de Sobral. Aliás, nossa cidade já contribuiu muito com o desenvolvimento de Fortaleza e do Estado do Ceará. Seria bom até o Prefeito homenagear a Família do Sr. José Gentil pela contribuição honrosa que deu a Fortaleza e pelo nome do bairro da Gentilandia. Deixou um bom legado.

Ronaldo Pimenta disse...

Parabéns pelo belo trabalho de resgatar fatos e pessoas tão importantes!!!!

Fátima Garcia disse...

obrigada por nos prestigiar, Ronaldo Pimenta. abs

Cristina Ponte disse...

Descobri que José Gentil é o meu tataravô e fiquei muito feliz, ele deixou realmente um legado.