quinta-feira, 24 de março de 2016

Bairro Cidade 2000

O Conjunto habitacional Cidade 2000, foi mais um conjunto residencial a dar origem a um bairro de Fortaleza. Surgiu em terras oriundas do parcelamento do Sítio Cocó, situado na margem esquerda do Rio Cocó, de propriedade da família Diogo. Foi construído com recursos do antigo BNH (Banco Nacional de Habitação), e inaugurado em 1970, numa região ainda despovoada, dividida em 46 quadras com duas alamedas cada uma, que levavam o nome de flores. 

Avenida Pontes Vieira, tendo à esquerda o bairro Dionísio Torres e a direita o São João do Tauape. Ao fundo as salinas do Cocó e a Cidade 2000 - 1973 (Foto de Nelson Bezerra)

Foi projetado pelo arquiteto Rogério Froes, com desenho que lembra a Taça Jules Rimet, troféu ganho pela Seleção Brasileira de Futebol, campeã da Copa do Mundo de 1970. O nome faz referência ao então distante ano 2000, pois em 1970, todos usavam este termo como sinônimo de futuro, prosperidade e avanço. 

Como sempre ocorria com os conjuntos habitacionais construídos naquela época, A Cidade 2000 também foi inaugurada com grande carência de infraestrutura. O prolongamento da Avenida Santos Dumont até a Praia do Futuro, com o objetivo de facilitar o acesso ao conjunto habitacional, só foi feito em 1976. Antes, chegar à Cidade 2000 era bastante difícil.
  
A distância era um desafio, de acordo com moradores mais antigos. A área onde o conjunto foi assentado era isolada da malha viária básica da cidade, os ônibus não chegavam até lá. No entorno, havia muito mato,  muitos morros e grandes espaços vazios.  O Jornal O POVO do início  da década de 1970 comparava a construção à Brasília feita anos antes por Juscelino Kubitschek. “Cidade 2000 caminha em ritmo de Brasília na Aldeota”, dizia a manchete de página do dia 6/2/1971. 

O Conjunto habitacional Cidade 2000 após a inauguração: as casas eram iguais, e guardavam alguma distância dos vizinhos. A ausência de arborização era absoluta (Foto de Nelson Bezerra)
 
Outro problema grave que afligia o Conjunto em seus primórdios era a coleta de lixo, feita de forma bastante precária. Em reportagem publicada em 24/03/1973, o jornal O Povo, denunciava:  "O serviço de limpeza pública não está atuando no conjunto habitacional Cidade 2000, localizado após o Hospital Geral do INPS, na Aldeota. Os poucos camburões de lixo ali localizados estão completamente cheios há dias e, como não exista outro local para colocar os detritos, os moradores depositam o lixo nas alamedas, formando verdadeiros monturos. Com o vento, aliás muito forte, pois o conjunto fica localizado perto da praia, o lixo espalha-se, provocando um mal-estar generalizado".

Prolongamento da Avenida Santos Dumont - 1975  (O Povo)

Com a construção e  ocupação da Cidade 2000 naquela parte de Fortaleza, e o prolongamento da Avenida Santos Dumont, ocorreu a expansão do sistema viário para o leste, e um acelerado processo de especulação imobiliária , abrindo-se novos loteamentos, sem nenhum acompanhamento do poder público municipal, e sem nenhuma infraestrutura, construindo-se residências de alto padrão em grandes lotes.

Avenida Santos Dumont, com o prolongamento até a Praia do Futuro. O motivo principal para a obra, foi construir um acesso para Cidade 2000 - 1973 (foto de Nelson Bezerra)
 
Além dos transtornos sociais causados pela especulação imobiliária, surgiram novos problemas decorrentes da degradação ambiental, gerada por aterros de lagoas e riachos e pelo desmonte de dunas. Os problemas ambientais também afetaram a Cidade 2000, com o surgimento do novo divisor de águas para a A Zona Leste - construção da Avenida Santos Dumont e o aterro da Lagoa de Três Corações, localizada nas imediações do conjunto. A partir do aterramento das lagoas, o lugar passou a registrar alagamentos, causando contratempos a pedestres e motoristas.  

A Paróquia do Divino Espírito Santo  foi fundada no dia 13 de setembro de 1974. (imagem Google)
  
Hoje a Cidade 2000 perdeu muitas de suas características originais.  O fato de ter sido construído em um local com grande potencial de valorização do solo, trouxe alterações no desenho do conjunto, e as muitas construções ao redor de vários empreendimentos imobiliários fez com que o bairro crescesse rapidamente em poucos anos. 

Alameda das Margaridas (google)
 
As casas da Cidade 2000, antes ordenadas em ruas estreitas e regulares, todas com o mesmo tamanho e modelo, ostentam hoje um segundo pavimento e ampliações variadas. O bairro conta com todos os tipos de comércios e serviços, como supermercados, bancos, restaurantes, etc.  Apesar dos nomes de flores que identificam as alamedas, por ali todos só se referem aos endereços pelas quadras, como bem mostra o mapa posto no meio da praça central.
  
Escola E.F.M arquiteto Rogério Froes

A Cidade 2000 tem 8.272 habitantes. São 3.576 homens e 4.696 mulheres, divididos em 2624 domicílios, segundo o Censo 2010 do IBGE. Limita-se com os bairros do Papicu, Dunas, Cocó e com o Rio Cocó, ao Sul.

 
fontes:
De Cidade a Metrópole: (trans)formações urbanas de Fortaleza, de Eustógio Wanderley Correia Dantas, José Borzachielo da Silva, Maria Clélia Lustosa da Costa.
Wikipédia
IBGE
Jornais O Povo e Diário do Nordeste

fotos de Nelson Bezerra do livro Cidade Saudade, Fortaleza anos 70

4 comentários:

nelson disse...

Ótimo documentário. Feliz em participar. Fo0rtaleza merece nossas honras. Parabéns

Aliny disse...

Bom artigo. Parabens!!

karine ka disse...

https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=129001994294117&id=100015529504572

karine ka disse...

Por favor vamos nos ajudar,agradecemos muito